Important Announcement
PubHTML5 Scheduled Server Maintenance on (GMT) Sunday, June 26th, 2:00 am - 8:00 am.
PubHTML5 site will be inoperative during the times indicated!

Home Explore Industria FIERN ed 24

Industria FIERN ed 24

Published by Daniel Franklin, 2017-05-26 08:13:24

Description: Industria FIERN ed 24

Search

Read the Text Version

Nº24 Ano V do Rio Grande do Norte Março/Abril 2017REFORMATRABALHISTA Modernizar para gerar mais empregos

chapéu2 Março/Abril de 2017

sumário DIREÇÃO 7 PRESIDENTE: Amaro Sales de AraújoENTREVISTA 1º VICE-PRESIDENTE: Pedro Terceiro de MeloRogério Marinho VICE-PRESIDENTES:4 Palavra do Presidente Antônio Thiago Gadelha Simas Neto, Francisco Vilmar Pereira, Sílvio de Araújo Bezerra,FIERN 14 EXPORTAÇÕES Sérgio Henrique Andrade de Azevedo,5 REFORMA Sílvio Torquato Fernandes, Maria da Conceição FIERN e SEBRAE promovem EINNE Rebouças Duarte Tavares, Álvaro Coutinho da Motta TRABALHISTA 17 PANIFICAÇÃO DIRETOR 1º SECRETÁRIO: Modernização das Leis do Heyder de Almeida Dantas Trabalho é tema de palestra no Sistema gerencia SENAI-Mossoró produção DIRETOR 2º SECRETÁRIO: Djalma Barbosa da Cunha Júnior10 A FAVOR DOS VENTOS 18 GOOGLE EDUCATION DIRETOR 1º TESOUREIRO: Vestas abre Centro de SESI e SENAI vão aos EUA Roberto Pinto Serquiz Elias Serviços no RN 20 ÁGUA MINERAL DIRETOR 2º TESOUREIRO:11 ESCRITÓRIO DO José Garcia da Nóbrega Consultoria alemã EMPREENDEDOR para indústria DIRETORES: do RN Francisco Ferreira Souto Filho, Francisco Assis de Serviços e agilidade para Medeiros, João Batista Gomes Lima, Pedro Alcântara empresas 22 notas Rego de Lima, Francisco Vilmar Pereira Segundo, Antônio Leite Jales, Jorge Ricardo do Rosário, Geraldo Senai SESI Orlando Santos Gadelha Simas, José Zélito Nunes, Edilson 28 VACINAÇÃO Batista da Trindade, Carlos Vinícius Aragão Costa Lima,24 BRASIL MAIS Marinho Herculano de Carvalho, Ricardo Valença Gomes Campanha atende 6 mil PRODUTIVO trabalhadores CONSELHO FISCAL: Francisco Pereira Soares, Alberto Henrique Serejo Competitividade cresce 20% 30 JAZZ DAY Gomes, Jorge José da Silva Bastos Filho Suplentes: Gustavo Henrique Calafange Motta, Tennyson26 WORKSHOP CTGAS-ER Ed Motta e SESI Big Band Brito Holder da Silva, Euzim Alves dos Santos Parceria e planejamento DIRETOR DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL (SENAI-RN): Roseanne Albuquerque SUPERINTENDENTE DO SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA (SESI-RN): Juliano Martins SUPERINTENDENTE DO INSTITUTO EUVALDO LODI (IEL): Maria Angélica Teixeira e Silva SUPERINTENDENTE CORPORATIVA DO SISTEMA FIERN: Katary Mendes Diniz SUPERINTENDENTE DE ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO DO SISTEMA FIERN: Hélder Maranhãoiel31 RH INDÚSTRIA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Programa irá atender empresas Av. Senador Salgado Filho, 2860 Lagoa Nova Natal/RN - CEP: 59075-90032 PQF Fone: 55 (84) 3204.6200 / Fax: 55 (84) 3204.6278 Qualificação de FornecedoresRevista da INDÚSTRIA DO RN 3

palavra do presidente Qual éa proposta?Amaro Sales de Araújo, O debate sobre a reforma da Previdência Social está dominando a pautaindustrial, Presidente da FIERN e do COMPEM/CNI nacional. A discussão é legítima e necessária. Tornou-se, contudo, ideológica em alguns momentos e vazia – pela desinformação - em outros. Os que são contrários torpedeiam a proposta do Governo Federal, mas, em regra, não apresentam uma alternativa. O Governo, por sua vez, não tem conseguido transmitir o quanto é grave o atual momento da Previdência Social. A Confederação Nacional da Indústria, por sua vez, avalia imprescindível a medida, considerando o equilíbrio das contas públicas e a necessidade de pagamento das aposentadorias e pensões aos brasileiros. As regras previdenciárias precisam abalizar a evolução demográfica e o processo de envelhecimento da população. Pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indicam que a expectativa de vida do brasileiro passou de 69,8 anos em 2000 para 75,5 anos em 2015. E, em 2030, os idosos serão 13,44% dos brasileiros. Se o déficit já é gigantesco, o quadro tende a se agravar ainda mais e o sistema entrará em colapso nos próximos anos. A previsão para 2017 é um déficit de 181 bilhões de reais. É muito dinheiro! Um déficit crescente que gera um desequilíbrio nas contas públicas e ameaça a estabilidade da economia brasileira. Podemos melhorar a gestão, conter desvios, melhorar controles, mas não há conta que feche se a arrecadação não for maior, ou igual, a despesa. Daí, inclusive, uma pergunta a quem é contra a reforma da Previdência: qual é a proposta para enfrentarmos o déficit e permitirmos que tenhamos aposentados e pensionistas pagos? Gravíssimas, e motivo de preocupação, são as situações das previdências estadual e municipal. Estado e municípios passam pelos mesmos problemas estruturais. Soluções paliativas como temos visto até agora, comprometem o futuro das novas gerações. Por isso, antes de um discurso puramente ideológico ou corporativista, precisamos fazer a conta certa e valorizar o segurado, contribuinte, empreendedor, entender que a arrecadação de impostos, contribuições ou taxas depende do esforço de muitas pessoas e empresas. A Previdência Social não pode sofrer um colapso definitivo. Além das reformas necessárias, cujas novas regras devem provocar mudanças, sobretudo nas corporações funcionais melhor remuneradas, as empresas não podem suportar novos encargos. Os empreendedores já pagam a conta que podem pagar! No mais, preservados os mais pobres, o debate precisa apontar soluções, reconhecendo que a idade mínima e o tempo de contribuição serão maiores. Diante da gravidade do problema, as medidas de equilíbrio terão de ocorrer agora.4 Março/Abril de 2017

REFORMA TRABALHISTA Palestra do Deputado Rogério Marinho sobre Modernização das Leis Trabalhistas, no SENAI/Ítalo Bologna, em Mossoró, reúne classe empresarial potiguar Modernizar asleis do trabalho para avançarRelator do processo da reforma trabalhista, deputado federalRogério Marinho faz palestra no SENAI Ítalo Bologna, em Mossoró Modernizar as leis de trabalho é uma necessidade de empresários de todos os segmentos. FIERNpara garantir a empregabilidade e o Brasil tem, hoje, O país, segundo dados apresentados peloesta oportunidade. A avaliação é do Deputado FederalRogério Marinho, relator da comissão que analisa a parlamentar, tem hoje 38 milhões de brasileiros commodernização das leis trabalhistas na Câmara Federal. carteira assinada, mas 13 milhões de desempregados,Marinho fez uma defesa enfática das mudanças 10 milhões de subempregados e mais de 40 milhõesna legislação trabalhista, durante palestra sobre que estão em idade laboral e que sequer estãoModernização das Leis Trabalhistas, realizada dia 3 de procurando emprego por estarem em desalento, nemabril, no auditório do SENAI/Ítalo Bologna, em Mossoró. estudam e nem trabalham. “Quem resiste, não quer mudanças. Se essas pessoas estão satisfeitas com essa O encontro reuniu as mais importantes entidades situação, eu não estou”, disse.representativas de empresários do Rio Grande doNorte, como FIERN, Faern, Fecomércio, Fetronor, CDL, O evento, realizado pelo Sistema FIERN, teveACIM, sindicatos, bem como Diretores da Federação das participação dos presidentes da Fecomercio, MarceloIndústrias, presidentes de sindicatos filiados, e dezenas Queiróz, da Faern, José Vieira, da Fetronor, Eudo Laranjeiras, e o diretor do Sebrae, Eduardo Viana.Revista da INDÚSTRIA DO RN 5

REFORMA TRABALHISTA País está preparado para as reformas, diz presidente da FIERN O presidente do Sistema FIERN, Amaro Indústria, Silvia Lorena, destaca que a Sales de Araújo, afirmou que o país e o Rio defesa da indústria pela modernização das Grande do Norte estão preparados para as leis trabalhistas não é uma pauta de crise. reformas. “Há quem defenda mudanças mais Em 2003, durante os debates do Fórum profundas na CLT. Mas o que está havendo Nacional do Trabalho, já se reconhecia que é uma modernização da CLT, ninguém está a vontade coletiva e o estímulo ao diálogo propondo acabar com ela. Eu acredito que devem pautar a modernização das relações essa flexibilização irá ocorrer principalmente do trabalho. “A CNI defende a modernização em relação do acordado com o legislado”, da legislação do trabalho sem que haja disse o industrial. qualquer supressão ou redução dos direitos dos trabalhadores”, disse. Para ele, as mudanças fortalecerão os sindicatos, as instituições, as empresas e Ela destacou que o texto do PL os trabalhadores.  “O poder público vai sair 6.787/2016 não revoga ou reduz qualquer dessa cena para que as empresas tratem com direito previsto na Consolidação das Leis seus colaboradores aquilo que vive no dia-a- do Trabalho, tampouco em relação àqueles dia”, explicou Amaro Sales. consagrados na Constituição Federal (13º salario, hora-extra, férias, FGTS, INSS, A Gerente Executiva de Relações do entre outros). Trabalho da Confederação Nacional daFIERN Deputado Rogério Marinho, o Presidente da FIERN, Amaro Sales, e a gerente executiva de relações do trabalho da CNI, Silvia Lorena, participam de debate 6 Março/Abril de 2017

ENTREVISTA rogério marinho“Temos a oportunidadede adequar a legislação ao espírito do tempo” Relator da proposta da reforma trabalhista que tramita na CâmaraFederal, o deputado Rogério Marinho tem participado de diversas audiências para incorporar sugestões a modernização que irá propor às leis do trabalho. Para o potiguar, o país tem a oportunidade de se adequar ao espírito do tempo, cujas relações de trabalho passaram nos últimos 70 anos, por grandestransformações e garante que mudanças não alteram os direitos conquistados pelos trabalhadores. Eis a entrevista.Em que consiste o projeto de reforma Seria o acordado valer sobre o FIERNtrabalhista, do qual o senhor é relator legislado?da Comissão Especial? Na verdade, não. É dar segurança O projeto do Governo, enviado no final jurídica a acordos firmados com ade 2016, pretende dar segurança jurídica cobertura da CLT e da Constituição, nãoaos acordos firmados, às convençõestrabalhistas feitos entre empresas e se ultrapassa o que está na lei. Os direitossindicatos de trabalhadores, que é umanorma da Constituição brasileira e da dos trabalhadores estão garantidos naprópria CLT. Temos mais de 50 mil acordosanuais, a maior parte é contestada após a Constituição, o que pode, eventualmente,homologação, seja pelo Ministério Público é serem flexibilizados por um períododo Trabalho, seja pelos trabalhadores após determinado. Não se pode abrir mão dea vigência. Isso desestimula empresas esindicatos a continuar fazendo o que a lei salários, de férias, do descanso remunerado,determina e o bom senso orienta. das normas de saúde, de normas de segurança. Mas podem ser flexibilizados. Na crise, preservar empregos é importante para todos. O país ganha com o trabalhador consumindo e integrado a sociedade.Revista da INDÚSTRIA DO RN 7

ENTREVISTA O momento de crise é favorável à reforma? mudar esta relação. Em vez de precarizar, a Eu acredito que este é o momento. Temos a lei irá formalizar, proteger e dar estabilidade jurídica ao trabalhador. Fomentar o emprego e oportunidade de adequar a legislação ao espírito incrementar a atividade econômica. do tempo, se não fizermos isso continuaremos a ter insegurança jurídica. Ou o Brasil aproveita a crise De que forma vai fomentar o emprego? e mexe na estrutura e faz a reforma trabalhista ou Quem gera emprego é quem empreende. vamos perder uma oportunidade que pode não se apresentar mais. Há 74 anos, quando a CLT foi São os empresários que têm a responsabilidade consolidada, 70% da população do país morava no e a coragem de iniciar um projeto econômico campo, a atividade rural era a principal atividade na área da indústria, serviços, comércio ou econômica. Hoje, quase 70% da população de aplicativos. Mas o empreendedor está com empregada formalmente e economicamente ativa medo de contratar e assumir passivos. Para a estão na área de serviços. É uma terceira revolução economia se recuperar, precisamos flexibilizar do trabalho, no limiar de uma quarta revolução com as relações de trabalho. Por ano, no Brasil, o advento do teletrabalho, do home officer, do uso são 4 milhões de novas ações judiciais gerados de aplicativos de internet, jornada móvel, trabalho a partir das rescisões trabalhistas, não há intermitente. É preciso modernizar, normatizar as paralelo no mundo em termos absolutos ou novas relações de trabalho e as que vão surgir. proporcionais. Os EUA têm 75 mil novas ações por ano, a França 70 mil, o Japão tem 2,5 mil A terceirização é um dos projetos novas ações ao ano. Há o excessivo exercício considerados polêmicos neste contexto de do Judiciário, que com o vácuo do Legislativo, é modificações das leis trabalhistas... quem ocupa esse lugar e gera imprevisibilidade nas relações de trabalho. O que há é uma falsa polêmica, um vácuo no Legislativo quanto a terceirização. Hoje há apenas “Em vez de precarizar, uma súmula do Superior Tribunal do Trabalho, a lei irá formalizar, a 331. Este projeto poderá restaurar um mínimo proteger e dar de normalidade de uma situação que atinge 14 estabilidade jurídica milhões de trabalhadores terceirizados no Brasil. ao trabalhador. Além de regulamentar uma atividade que já Fomentar o emprego e existe, que benefícios traz para o trabalhador? incrementar a atividade Dá estabilidade e segurança jurídica à uma econômica.” atividade que vem sendo combatida pelosFIERN órgãos de controle, de forma excessiva, como se fosse predatória. O discurso do Ministério Público do Trabalho, nas audiências públicas, é que o terceirizado é um subempregado. Generaliza uma situação de fragilidade de empresas que prestam serviços no ramo de limpeza, como se fosse a tônica, o estereótipo deste trabalhador. E faz com que as empresas, pela natureza jurídica e forma como são combatidas, não tenham interesse de manter o funcionário, praticar ascensão profissional, isso porque são questionadas permanentemente. A regulamentação da terceirização pode 8 Março/Abril de 2017

“O empreendedor ENTREVISTA está com medo de Como a insegurança jurídica será reduzida com contratar e assumir a reforma? passivos. Para Devemos buscar subsídios inclusive no Judiciário, a economia se no Ministério Público, junto aos empresários erecuperar, precisamos aos sindicatos. Eu ainda estou analisando paraflexibilizar as relações apresentar uma proposta de solução. Estou de trabalho.” aberto a sugestões. É preciso criar um clima de previsibilidade, de confiança no empreendedor para preservar o emprego e contratar mais. FIERN Quais propostas o senhor deve defender, no relatório, para a reforma trabalhista se concretizar? A Constituição define duas situações que são passíveis de negociação: jornada e salário. Há duas correntes nesse sentido, uma define que a gente aponte o que pode ser flexibilizado. E o Governo aponta 13 pontos, entre eles férias, jornada in itinere, ultra-atividade, etc. E outra, que defende que a lei defina o que não pode ser negociado e o tudo mais poderá ser. Porque cada empresa tem uma forma de trabalhar. Talvez seja mais inteligente definir o que não pode ser negociado e o tudo mais poderá ser. Como o projeto vai tramitar, há um cronograma? A expectativa é, até meados de abril, fazer a última audiência pública e eu ter condições de apresentar o relatório. Após a apresentação, há um período regimental de vistas processuais e um novo período para apresentar emendas. Após isso, pode ser votado em Comissão. Devido o caráter terminativo poderia seguir para o Senado. Mas certamente haverá recursos para ir a plenário. Um projeto desse porte não pode se circunscrever a 37 deputados, deve ir a votação dos demais 476. Devemos enviar a Senado até maio, que votará antes do recesso. O senhor tem recebido diversas sugestões de entidades, como a Confederação Nacional das Indústrias, entre outras. Como isso deve agregar ao projeto? Nosso papel é ouvir o maior número de sugestões e tentar aperfeiçoar o que nos foi entregue pelo Executivo. Esta participação é bastante bem vinda e até estimulada por meio das nossas redes sociais e tem sido bastante espontânea.Revista da INDÚSTRIA DO RN 9

Indústria Eólica A favor dos ventos Primeiro Centro de Serviços para parques eólicos da Vestas no Brasil é inaugurado em Parnamirim e gera 100 empregos O Rio Grande do Norte ganha o primeiro Para o presidente do Conselho de Centro de Serviços da Vestas do Brasil. Instalado Administração da Associação Brasileira de em área de 1.200 m², em Parnamirim, o Centro Energia Eólica (ABEEólica), Lauro Fiuza Jr, a deve gerar 100 empregos diretos. Com isso, a instalação do Centro de Serviços da Vestas é a fabricante dinamarquesa de turbinas eólicas, confirmação do potencial da energia dos ventos passa a atender os parques - que usam ou não no país, que precisa superar gargalos para não tecnologia da marca - com serviços de montagem perder as oportunidades de crescimento. “A e manutenção. energia que produzimos hoje é a mais barata, mas temos questões, como as linhas de transmissão O potencial de expansão da indústria eólica e a realização dos leilões de energia eólica que potiguar justifica a escolha do estado para precisam ser priorizados”, observa Fiuza. sediar o empreendimento. Autossuficiente em geração, o RN possui 122 parques em operação Em fevereiro de 2017, o Brasil atingiu e capacidade instalada e em operação de 3.311 10,79 GW de capacidade instalada. Dos 98 MW. “Este centro é estratégico. Ele permitirá uma novos parques (1.589MW) que entraram em melhor logística e estarmos perto dos nossos operação, 35 são no RN (918MW). “A formação clientes”, destaca o presidente da Vestas, Rogério de técnicos e profissionais qualificados, que o Zampronha. Oito parques, dos treze que utilizam CTGAS-ER desenvolve com muita propriedade, é a tecnologia da marca dinamarquesa no Brasil, um atrativo para a instalação de novos parques estão no RN. eólicos aqui”, conclui.FIERN Presidente da Vestas, Rogério Zampronha, anuncia geração de 100 empregos diretos no Centro de Serviços em Parnamirim Março/Abril de 2017 10

SUPORTEInstalado no Shopping Via Direta, espaço reúne serviços como registro de empresas,licenciamento, orientação sobre linhas de crédito e tributos, entre outrosAgilidadeem processos para crescerEscritório do Empreendedor conta com serviços doSistema FIERN e de diversas instituições para agilizarabertura, regularização e registros de empresas O Sistema FIERN está presente no licenciamento, orientação sobre linhas de FIERNEscritório do Empreendedor — um espaço crédito e tributos, além de informaçõesinstalado no Shopping Via Direta, que sobre programas oficiais que podemreúne serviços como registro de empresas, ajudar na expansão dos empreendimentos.Revista da INDÚSTRIA DO RN 11

SUPORTE “Com a FIERN, estamos fazendo Presidente da Jucern, Sâmya Bastos, destaca um importante trabalho conjunto e que Escritório garante um ambiente propício um mapeamento das atividades e das ao desenvolvimento das empresas demandas mais frequentes para darmos um atendimento ainda mais eficaz”, afirma SESI e IEL -, que incluem capacitação, a presidente da Junta Comercial do RN formação profissional e consultoria. “A (Jucern), Sâmya Bastos. presença do Sistema FIERN assegura facilidade no acesso ao SESI, SENAI e IEL. O Escritório, que funciona das 9 Os empresários têm informações sobre às 19 horas, evita o deslocamento por os serviços prestados pelas instituições e vários órgãos, uma vez que os serviços a forma mais prática de acessar”, destaca são prestados em único local. Além Helder Maranhão, superintendente de do Sistema FIERN, que se instalou Estratégia e Articulação da FIERN. recentemente, o empreendedor encontra os serviços da Jucern, Receita Federal, Suvisa (Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária), Visa Natal (Vigilância Sanitária de Natal), Corpo de Bombeiros, Idema (Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente), Semurb (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo), AGN (Agência de Fomento do RN), SET (Secretaria de Tributação), Federação das Associações Comerciais do RN, Idiarn (Instituto de Defesa e Inspeção Agropecuária do RN) e Igarn (Instituto de Gestão das Águas do RN). Com a presença da FIERN, os empresários podem obter as orientações ou solicitar os serviços prestados pelas entidades do Sistema Indústria - SENAI, Ambiente favorável ao desenvolvimento de empresasFIERN Todo o atendimento necessário para a dúvidas sobre tributos estaduais. abertura e alterações de registro de empresa, A preocupação do Governo do com acesso aos órgãos responsáveis pelas emissões de autorizações - para as atividades Estado, explica a presidente da Jucern, que necessitam de licenciamentos – estão Sâmya Bastos, é garantir um ambiente reunidos no Escritório do Empreendedor. propício ao desenvolvimento e, para isso, É possível protocolar o pedido de registro, iniciativas como a instalação do Escritório de alteração e a baixa de qualquer empresa, e mudanças nos procedimentos de solicitar o alvará sanitário, o Atestado de abertura de empresas foram adotadas. O Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB), a funcionamento do escritório, enfatiza ela, é licença ambiental, de funcionamento e tirar mais um passo nesta direção de ampliar e facilitar o acesso dos empresários. 12 Março/Abril de 2017

SUPORTE “Hoje o trâmite é totalmente digital, afirma a presidente. pode ser protocolado [o pedido de registro O usuário também pode requerer odas empresas] por certificado virtual.Os processos foram redimensionados, registro na sede da Jucern ou no Escritório,os procedimentos reduzidos de nove a sendo o trâmite virtual mais ágil. “Tudo issoonze passos para três - o protocolo, a favorece o acesso. Um processo que levava dedigitalização e a análise e autenticação”, 30 a 90 dias, hoje leva de 24 a 48 horas para retorno ao usuário”, afirma.Amaro Sales recebe o Comandante Geral do Corpo de Bombeiros, Cel. Sócrates Vieira de Mendonça Júnior,o Chefe de Gabinete do CB, Luiz Monteiro da Silva Júnior, e o Gerente do Espaço Empresarial, MarceloDantas, na Casa da IndústriaCorpo de Bombeiros abre serviços no Escritório Serviços do Corpo de Bombeiros Empresarial da FIERN, Marcelo Dantas. FIERNcomo análise de projetos, eventos Já os projetos de baixo risco dastemporários e requerimento de vistoriasde empreendimentos com até 750 microempresas poderão ser solicitadosmetros quadrados também passam a ser online, através da REDESIM (Rede Nacionaldisponibilizados este mês ao Escritório para a Simplificação do Registro e dado Empreendedor. A informação é do Legalização de Empresas e Negócios), nocomandante Geral do Corpo de Bombeiros endereço http://www.redesim.rn.gov.br/.Militar do RN, Coronel Sócrates Vieira deMendonça Júnior, durante visita ao presidente “Preenchidos os requisitos a licençado Sistema FIERN, Amaro Sales de Araújo, na é liberada em tempo real”, disse oCasa da Indústria, acompanhada pelo Chefe comandante. Nesses casos, não há exigênciade Gabinete da corporação, Luiz Monteiro de vistoria, podendo ser feita em outroda Silva Júnior, e pelo Gerente do Espaço momento, após avaliação do corpo técnico da corporação. Antes, esse processo demorava em média seis meses.Revista da INDÚSTRIA DO RN 13

INTERNACIONALIZAÇÃO Em exportação indireta, a indústria potiguar Sisaltec envia para os EUA 158 toneladas de fio para feno Pequenos negócios apostam no mercado externo FIERN e SEBRAE promovem o Encontro Internacional de Negócios do Nordeste (EINNE)FIERN Para driblar a crise econômica do país empresas exportadoras assim como e aumentar os rendimentos, as micro as exportações de produtos e serviços, e pequenas empresas apostam cada sobretudo os manufaturados e com maior vez mais no mercado externo. E para valor agregado. incentivar e desmitificar o processo de internacionalização foi criado o Plano Para difundir ainda mais essa iniciativa, Nacional da Cultura Exportadora, que a FIERN junto com o SEBRAE, realiza promove o crescimento do número de o Encontro Internacional de Negócios do Nordeste (EINNE), em Natal, em 14 Março/Abril de 2017

INTERNACIONALIZAÇÃOnovembro deste ano. O Encontra busca adequação de produtos e processos,estimular as exportações, por meio da promoção comercial e comercialização.promoção, aproximação e contatos diretosentre companhias compradoras brasileiras São ações de capacitação para ase estrangeiras com pequenas empresas empresas, com cursos, palestras e rodadasfornecedoras situadas no Nordeste. de negócios com compradores estrangeiros, além de uma orientação específica para Para facilitar a inserção das empresas cada empresa. A ideia é o alinhamento dasno mercado externo, o PNCE desenvolve discussões para evitar choques de ações euma trilha da internacionalização com cinco beneficiar diretamente o empresário, cometapas para o direcionamento da empresa: várias instituições atuando de maneiraa sensibilização, inteligência comercial, integrada para ajudá-lo a exportar.Adequação para exportar A trilha de orientação é feita por parceiros depende do comprador. Por isso, também, a do programa, como os Ministérios da importância de saber pra onde quer exportar Agricultura, das Relações Exteriores (MREda e construir a documentação, certificados, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e da Ciência, especificação, para atender a necessidade do Tecnologia e Inovação (MCTI); Governo do comprador”, explica Góis. Estado, Receita Federal, Apex-Brasil, Federação das Indústrias, Correios, OAB, Sebrae, UnP, O empresário que preferir  não passar por Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal. esse trâmite burocrático, pode optar por uma exportação indireta, contratando uma empresa O Sebrae é responsável pelo primeiro especializada em importação e exportação, passo nessa empreitada com orientação para fazer esse processo burocrático, ao empresário, a partir da decisão sobre diminuindo os riscos, e o empresário mantém o para onde ele quer exportar, com base em foco na sua produção. dados, pesquisas e informações oficiais sobre o mercado no qual pretende se inserir. Gerente da Unidade FIERN “Qualquer produto pode ser exportado, desde de Acesso a Mercados, que atenda a demanda do mercado local e a David Góis, explica necessidade do comprador”, afirma a analista documentação exigida técnico de Unidade de Acesso a Mercados do para exportar Sebrae, Ana Carolina. 15 Antes de adentrar o mercado estrangeiro é preciso atravessar um processo documental. Para estar apta a exportar, explica o Gerente da Unidade de Acesso a Mercados, David Góis, a empresa precisa de registro junto a Receita Federal, que emite uma habilitação e insere no contrato social uma autorização de empresa exportadora. Depois de regulamentado, cria-se o Radar, para acesso ao sistema de comércio exterior, o Siscomex.  “Tem toda uma documentação básica e regulamentação solicitada pela Receita para poder exportar, alguns documentos são obrigatórios e outros complementares. IssoRevista da INDÚSTRIA DO RN

INTERNACIONALIZAÇÃO A empresa SISALTEC, produtora de fios agrícolas, se lançou no mercado externo em 2016FIERN Sisaltec exporta O empresário Amarildo Menezes se prepara para exportação direta em 2017 A empresa SISALTEC, produtora de fios agrícolas, líder no mercado do RN, se lançou “A estrutura estava subutilizada, então no mercado externo em 2016. A empresa, percebemos a necessidade de exportar por meio da exportação indireta, enviou para poder explorar mais a capacidade de para os EUA, sem maiores trâmites, no ano produção do nosso parque. Nossa projeção passado, 158 toneladas de fio para feno.   é exportar também para Argentina, Portugal e México, e aumentar em cinco vezes a O diretor geral da SISALTEC, Amarildo produção até 2018”, diz Amarildo. Menezes, lembra que na primeira experiência de exportação, havia o cliente, o parceiro, mas faltava o conhecimento de como proceder. “Optamos pela exportação indireta e, enquanto isso, participamos de algumas palestras oferecidas pelo Sebrae, sobre o mercado exterior, empréstimos e recursos através do  Banco do Brasil, sobre os contratos internacionais e formação de preços. Essas informações complementaram as que já tínhamos”, observa. Este ano, a Sisaltec fará a exportação direta. “Já chegamos ao comprador com  conhecimento necessário para fazer um bom negócio”, avalia Amarildo Menezes. O empresário pondera que para atender ao mercado interno, usava apenas 10% da capacidade do parque industrial. Com as exportações, a produção cresceu 30%. 16 Março/Abril de 2017

INOVAÇÃOTecnologia como ingredientePlataforma desenvolvida pelo CET Aluízio Alves melhoraa gestão de custos e processos de produção em padaria O Centro de Tecnologia em Informática interessada em contratar esse serviço, deve FIERNAluízio Alves – CTIAA, do SENAI-RN, entrar em contato com o CTI Aluízio Alvesdesenvolveu um sistema automatizado – pelo número (84) 3201-2109 ou pelopara gerenciamento de custos e processo e-mail [email protected] -, para que umade produção para a padaria Boca de Forno. visita seja agendada com o propósito deTrata-se de uma plataforma na web, que realizar uma avaliação das necessidades datambém poderá ser usada nas empresas do mesma e a viabilidade para a execução dosegmento alimentício: padarias, restaurantes, serviço. “Com a conclusão da implementaçãocafés e afins. da plataforma na padaria Boca de Forno, estão em andamento a execução do serviço O sistema baseia-se na realização do em mais duas padarias”, disse.processo via web, tendo como base asreceitas dos produtos e pratos produzidos no Empresário José Américo, da Boca de Forno, aprova sistemalocal. Ao acompanhar a produção, o sistema automatizado para gerenciamento de custos e processo defaz um paralelo entre o que está sendo usado produção desenvolvido pelo CTI Aluízio Alvese o que é realmente necessário, por meio deprocesso online, que facilita a sistemáticade gestão e contribui para o aumento daprodutividade. Leva cerca de um mês parasua implantação e capacitação do responsávelpela produção. O tempo para recuperar o investimentocom a plataforma pode variar de empresapara empresa. O empresário José Américo, daBoca de Forno, afirma que quanto mais elaé usada, mais rápido se recebe o retorno. “Oque gastei já se pagou”, disse. José Américo defende que a ferramentade gerenciamento de custos e processo deprodução é simples e eficiente e recomendao uso para outras empresas do ramo. “Aspadarias são negócios de pequeno a médioporte e os empresários que trabalham comisso entendem de preço em geral, o uso daplataforma facilita a gestão quanto a tomadade decisão referente aos custos”, diz. Segundo Julliana Macêdo, da Unidade deMercado do SENAI-RN/CTIAA, a empresaRevista da INDÚSTRIA DO RN 17

GOOGLE EDUCATION Educação hi-tech Superintendente do SESI-RN e Diretora do SENAI-RN participam de missão da CNI aos EUAFIERN Salas de aulas nas quais professores acompanhar o uso do ‘ecossistema Google’, que e alunos interagem constantemente por é um ambiente no qual vários aplicativos são intermédio de tecnologia. Empresas usados em sala de aula”, afirma Roseanne. especializadas em investimento na inovação. Incubadoras de empreendimentos tecnológicos Um dos principais aspectos deste e desenvolvimento de aplicativos. Uma unidade “ecossistema” é que os alunos podem usar com pesquisa aplicada às exigências atuais as ferramentas, disponíveis nas nuvens, do ensino. Estes são alguns dos ambientes independente de estar ou não em sala de aula. que o superintendente regional do Serviço Praticamente, não há diferença dos instrumentos Social da Indústria (SESI/RN), Juliano de aprendizagens presencial e a distância — Martins, e a diretora regional do Serviço textos, imagens, áudios, vídeos estão disponíveis Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI/ e até consultas aos professores podem ser feitas RN), Roseanne Albuquerque, visitaram por meio dos aplicativos na sala e em diversos na Califórnia, em missão coordenada pela lugares onde o estudante esteja ao longo do dia. Confederação Nacional da Indústria nos “A aula presencial acontece junto com a aplicação Estados Unidos. da tecnologia. E quando sai da sala, continua tendo acesso ao conhecimento pelo celular ou Um dos principais objetivos dessa missão foi tablet”, comenta Roseanne. conhecer aplicativos educacionais que estão em pleno uso em escolas públicas norte-americanas. Os departamentos regionais do SESI e SENAI “Tivemos, principalmente, a oportunidade de do Rio Grande do Norte, Bahia, Minas Gerais e Rio Grande do Sul integraram a missão da CNI. 18 Março/Abril de 2017

GOOGLE EDUCATIONTecnologia facilita gestão de aulas Outro diferencial diz respeito à melhoria reforça Juliano Martins.das condições de gestão da aula por parte dos Os gestores do SENAI e SESI tambémprofessores. “Com esse sistema, o profissionalconsegue visualizar os percentuais de acertos conheceram empresas e incubadores quede determinados testes ou quesitos sobre produzem softwares e aplicativos paraalgum conteúdo e, com isso, quais alunos grandes companhias. Eles estiveram aindaestão com desempenho abaixo da média na Stanford Universiy, na qual mantiveramou do esperado para fazer um trabalho contato com um grupo de pesquisadospersonalizado”, diz a diretora regional. vinculados ao Lemann Center. “Ter contato com a cultura Google foi particularmente Ao fazer novas atividades, pode já aplicar importante, porque eles pensam no ambienteoutros testes para aferir os resultados, tudo mundial, não desenvolvem os projetos parapor intermédio dos aplicativos. Isso assegura apenas um país. Há uma tendência muitouma gestão mais inteligente ao professor para forte para aplicativos voltados à educação”,que ele tenha melhores condições de otimizar destaca o superintendente do SESI-RN.suas atividades de ensino. A tecnologiafica, assim, integrada ao plano de aula do Missão coordenada pela CNI aos Estados Unidos conhece Googleprofessor. “O uso desses recursos é o futuro,não há caminho de volta”, afirma. Um exemplo prático é o ensino de línguaestrangeira. O estudante lê e destaca, no tabletou celular, um trecho de texto, solicita o áudiocom a pronúncia correta e escolhe no tempoque considera mais adequado de narraçãopara assimilar e, se precisar, com repetições.“Essas aplicações tecnológicas voltadas aoambiente de educação, ferramentas quepermitem uma interação melhor entre oprofessor e o aluno e até os pais, consideraque o mundo hoje é tecnológico e não há comomanter a atenção deles nos padrões antigos”, Diretora regional do FIERN SENAI/RN, RoseanneRevista da INDÚSTRIA DO RN Albuquerque, e o Superintendente do SESI/RN, Juliano Martins, visitam ambientes 19

SENIOR EXPERT Experiência e mais competitividade Consultoria alemã na indústria de água mineral potiguar leva melhorias a processos de produção O “Senior Expert Service”, A Cristalina, do empresário Djalma Barbosa Júnior, é uma das seis programa que visa o avanço de indústria a receber a consultoria produtividade, com otimização deFIERN processos e melhorias no controle da melhorias de otimização e em Com o convênio entre produção, chega a indústrias de água alternativas de automação. O a Fundação, a FIERN e a mineral do Rio Grande do Norte. A programa é da Fundação da SINCRAMIRN, empresários do setor consultoria do especialista alemão Indústria Alemã para a Cooperação têm uma consultoria alemã, dada Ingo Ernst, que esteve em Natal entre Internacional, uma das mais por um profissional com ampla os dias 7 e 25 de março, para uma importantes organizações no experiência na área de bebida. “O série de visitas a empresas filiadas ao âmbito do voluntariado, que atua consultor passa dois dias em cada SICRAMIRN (Sindicato das Indústrias no envio de especialistas e técnicos indústria participante do programa de Água Mineral do RN), resulta em aposentados para contribuir com e conclui com um relatório um diagnóstico para seis empresas empresas em diversos países. especifico”, explica Barbosa. do setor. Em maio, mais uma etapa do programa será realizada em outras unidades industriais, pelo consultor, que voltará ao Estado, com análise dos processos de produção e sugestões de melhorias. Para o presidente do SICRAMIRN e diretor 2º secretário da FIERN, Djalma Barbosa Júnior, a atuação do consultor é importante para que as empresas tenham resultados ainda melhores. “Os consultores do programa garantem, onde atuam, a transmissão de uma vasta experiência para as empresas e, com essas parcerias, os empresários locais recebem dicas e orientações para que melhorem os processos produtivos”, disse. O “Senior Expert Service” para o setor de água mineral potiguar tem três objetivos fundamentais: avanços no controle de processo, 20 Março/Abril de 2017

SENIOR EXPERTCooperação alemã fomenta competitividadeda indústria potiguar Em março, as indústrias de água mineral O consultor alemão Ingo Ernst, esteve em NatalRio Grande, Cristalina, Paraíso, Santos Reis, entre 7 e 25 de março, para uma série de visitasInamar e Santa Maria foram visitadas. Ingo a empresas filiadas ao SICRAMIRNErnst percorreu as instalações das fábricas,conversou com técnicos, funcionários e europeus e da América do Norte, da África,conheceu todas as etapas de produção, do Sudeste Asiático, já participou de seiscomo engarrafamento e fixação de rótulos. missões voluntárias no setor de águaA partir dessas informações, o consultor faz mineral, com a organização empresarial,um diagnóstico e apresenta sugestões para marketing e melhoria de engarrafamentomelhorias. de bebidas e acondicionamento de água na Romênia, China, Arábia Saudita, Bulgária, O programa oferece serviços de Uzbequistão e Kosovo.ajuda especializada com transmissão deconhecimentos, experiências e treinamentode equipes. Durante a programação em Natal,houve também um encontro para “consolidara primeira fase do programa”. Com ampla experiência profissional, Ingo Ernst é engenheiro mecânico. Foichefe de produção e venda e desenvolvedorde produtos na indústria de bebidas daAlemanha. Com experiência em instalação demáquinas, desenvolvimento de projetos, teste,venda e publicações sobre desenvolvimento deprodutores e marketing. Com atuação profissional em países O Senior Expert Service FIERN para o setor de águaRevista da INDÚSTRIA DO RN mineral potiguar visa avanços no controle de processo, melhorias de otimização e alternativas de automação 21

notasImersão deGestoresda FIERN1 Com o lema “Vencendo Desafios – Estratégia e Gestão”, gestores ediretores do Sistema FIERNparticiparam da “5ª Imersãodos Gestores”, no dia 7, no Prodigy Hotel, na Via Costeira. SINDUSCON debate recuperação judicialForam abordadas no evento questões como desenvolvimento 3 O Sindicato da Indústria daindividual, desafios, trabalho em equipe, liderança e mudanças Construção Civil do Estado do Rio Grande do Norte, comorganizacionais, entre outras. Os consultores Toni Annies, Marcos apoio da FIERN, promoveu palestra com o advogado de Santa Catarina,Rabello e Douglas Meurer, da El-Kouba Consultores, do Paraná, Felipe Lollato, especialista em Processo Civil e em Direito Empresarial, sobreconduziram a imersão. O presidente da Federação das Indústrias recuperação judicial. Segundo ele, existem sinais que indicam que afez um balanço das imersões, que ocorrem uma vez por ano, empresa está passando por uma crise, como o não pagamento em dia aosdestacando a importância do Sistema FIERN estar sintonizado com fornecedores e dificuldades para pagar a folha de pagamentos. O evento realizadoas mudanças que estão acontecendo no mundo, sobretudo na área dia 6 de abril, na casa da Indústria, foi aberto pelos vice-presidentes doindustrial. O “Vencendo Desafios, em contato com a natureza!”, da Sinduscon, Larissa Dantas e Marcus Aguiar. A recuperação judicial foiEl-Kouba, é um programa de desenvolvimento empresarial com criada para empresas em dificuldade financeiras, com descompasso no fluxometodologia vivencial ao ar livre. de caixa e sem estado pré-falimentar.SINGRAF transmite reuniãovia Skype Business2 O planejamento de ações para 2017 do Sindicato das Indústrias Gráficas do Rio Grande do Norte foi tema da reunião de diretoria e associados, transmitida via SkypeBusiness. O SINGRAF-RN é o primeiro sindicato da Federação dasIndústrias do RN a inovar com este recurso, que será usado emreuniões futuras para facilitar a participação de todos. Além de dadosda indústria gráfica nacional, um diagnóstico do setor gráfico potiguar– realizado pelo Sebrae de agosto a setembro de 2015 – foi apresentadopelo presidente do Singraf-RN, Vinícius Costa Lima, e debate sobre “Oque a indústria gráfica deve fazer para se manter no mercado, enfrentara crise econômica, a retração de mercado e acompanhar os avançostecnológicos”. A Gerência Coorporativa de Tecnologia da Informação daFIERN deu todo o suporte para a transmissão.22 Março/Abril de 2017

Encontro de Diretores João Câmarado SENAI Nordeste ganha Escritório4 O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial 5 O presidente do Sistema FIERN, (SENAI/RN) recebeu os diretores regionais das empresário Amaro Sales de demais instituições no Nordeste, na Casa da Indústria, Araújo, inaugurou mais umna primeira reunião do ano de 2017. A reunião acontece uma escritório do Sistema FIERN, desta vezvez por mês, com a finalidade de criar soluções para constante no município de João Câmara, na Regiãoaperfeiçoamento das ações do SENAI. O Presidente da FIERN, do Mato Grande. As instalações foramAmaro Sales de Araújo participou de almoço com os dirigentes. planejadas para levar os serviços doPara a Diretora Regional do SENAI/RN, Roseanne Albuquerque, Sistema Indústria — integrado pelao encontro é uma oportunidade para troca de experiência. FIERN, SENAI, SESI e IEL — à região doParticiparam da reunião, os Diretores Regionais do SENAI/MA, Mato Grande. A instalação do escritórioMarco Antônio Moura; do SENAI/PI, Mardônio Souza Neiva; do em João Câmara é a continuidade doSENAI/PB, Patrícia Gonçalves de Oliveira; do SENAI/PE, Sérgio programa de interiorização da atualGaudêncio Portela de Melo; a Gerente de Educação do SENAI/ gestão da FIERN, que já implantouCE, Priscila Marques Carneiro; a Coordenadora do Call Center unidades semelhantes nos municípios deSENAI/PE, Daniela Pereira. Pau dos Ferros, Assu e Caicó. A próxima será em Goianinha, na região Agreste. Localizado na Rua Dr. Antônio Proença, 567, Centro, o escritório tem condições de atender as empresas em operação ou com interesse em se instalar em um dos 14 municípios da região do Mato Grande.SINDRECICLA participa do Procompi6 A indústria de reciclagem está entre pretende aproximar as empresas de reciclarem dos os cinco setores contemplados para considerados grandes geradores de resíduos, como participar do programa Procompi hotéis, restaurantes, entre outros.até 2020. Diante disso o presidente Sindicatodas Indústrias de Reciclagem e Descartáveisdo Estado do RN (SINDRECICLA-RN), RobertoSerquiz, reuniu seus associados para apresentaras primeiras ações. Na pauta apresentações dosconsultores, cronograma de execução do plano econtrapartida e apresentação do Projeto Recicla-RN, que é um software criado pela empresaTHÉMATA Desenvolvimento de Softwares, queRevista da INDÚSTRIA DO RN 23

BRASIL MAIS PRODUTIVO Empresas dos setores do vestuário, alimentos e bebidas do RN apresentam resultados positivos com o programa Menos desperdício, mais produtividade Com programa de soluções rápidas e de baixo custo, indústrias do RN aumentam a competitividade em mais de 20%senai No Rio Grande do Norte, empresas dos Aprendizagem Industrial (SENAI). setores do vestuário, alimentos e bebidas Os resultados do programa são têm apresentado resultados positivos graças à sua participação no Programa Brasil na produtividade, enfatiza a Diretora Mais Produtivo, que prevê um aumento Regional do SENAI, Roseanne na competitividade das empresas em pelo Albuquerque, que explica que o aumento menos 20%. O programa é do Governo de produtividade não está relacionado ao Federal, coordenado pelo Ministério do aumento de produção, mas sim à melhoria Desenvolvimento da Indústria e Comércio da eficiência dos processos de fabricação. Exterior (MDIC) – APX/ABDI, com apoio Os ganhos na produtividade das empresas da Confederação Nacional da Indústria já assistidas, segundo a diretora, variam (CNI), através do Serviço Nacional de entre 51 a 109%. “É fazer melhor gastando menos”, frisa. 24 Março/Abril de 2017

BRASIL MAIS PRODUTIVO No Rio Grande do Norte serão atendidas 40 ““São aplicadasempresas em diversos municípios do Estado soluções deaté setembro deste ano. “São 20 empresas curto prazo edo setor de alimentos e bebidas e 20 de com baixosvestuário”, afirma. Até março, sete empresas custos para asdo segmento de alimentos, nove do setor empresas.”de bebidas e 16 da indústria do vestuáriorecebem a consultoria por meio do SENAI-RN. Roseanne Albuquerque, Diretora Regional do SENAI-RN O Brasil Mais Produtivo consisteem consultorias para as indústrias quesão baseadas na metodologia ‘learnmanufacturing’ (produção enxuta, emtradução livre do inglês). A atuação éno sentido de identificar e corrigir osdesperdícios mais comuns durante o processode fabricação, como superprodução, tempo deespera, transporte, excesso de processamento,inventário, movimento e defeitos. O Programaé focado no chão de fábrica, explica RoseanneAlbuquerque. “São aplicadas soluções de curtoprazo e com baixos custos para as empresas”. Brasil mais Reduzir desperdícios para produtivo ser mais competitivo Com modificações rápidas e de baixo Os 7 desperdícios combatidos custo, as indústrias que participam do Brasil Mais Produtivo aprendem a - Superprodução reduzir desperdícios que emperram - Tempo de espera o avanço de sua produtividade. O - Transporte Programa está disponível para as - Excesso de processamento empresas com processos de fabricação - Inventário seriados, não automatizados, e - Movimento possuam entre 10 e 200 funcionários. - Defeitos E não contempla investimentos em infraestrutura. Os setores prioritários senai Nas empresas as ações são - Alimentos e Bebidas desenvolvidas em 120 horas, - Metalmecânico distribuídas em três meses de trabalho. - Moveleiros Para participar as empresas devem - Vestuário e Calçados manifestar o interesse preenchendo o formulário que está disponível no 25 endereço www.brasilmaisprodutivo.gov. br. No SENAI/RN o contato pode ser feito pelo e-mail: [email protected] da INDÚSTRIA DO RN

PLANEJAMENTO Gestores do CTGAS-ER e da Agência Alemã de Cooperação Internacional (GIZ) definem ações estratégicas para 2017 Parceiros na educação profissional CTGAS-ER e Agência Alemã de Cooperação Internacional (GIZ) planejam ações para 2017 em workshopsenai A continuidade de ações e desafios para este ano estão para a área de energias renováveis”, estratégicas e de apoio ao retratadas em um Plano de Ação, frisa a diretora. desenvolvimento de cursos e com diversas atividades que serão serviços ofertados pelo Centro realizadas por meio da cooperação Os representantes da de Tecnologias do Gás e Energias técnica. GIZ, Christoph Büdk, coordenador Renováveis (Consórcio SENAI/ de educação profissional no Brasil e Petrobras) são foco do Workshop Para a diretora executiva do o consultor Jörgdieter Anhalt, de Planejamento, realizado pelo CTGAS-ER, Cândida Amália Aragão, responsável pelas atividades da CTGAS-ER e a Agência Alemã de a cooperação técnica entre o SENAI cooperação GIZ no CTGAS-ER, Cooperação Internacional (GIZ). O e a GIZ tem propiciado a capacitação também participaram da reunião planejamento, no âmbito da parceria de docentes, a implantação de cursos, de trabalho. Um histórico das SENAI/CTGAS-ER-GIZ, traça metas a elaboração de materiais didáticos, atividades já realizadas e resultados para a educação profissional na área o intercâmbio de conhecimento e a alcançados, entre 2012 a 2016, de energias renováveis e eficiência transferência de tecnologias. “Sem o foram apresentados reforçando a energética para 2017. apoio do Departamento Nacional do importância da parceria para atuação SENAI e da GIZ, o CTGAS-ER não teria do SENAI e CTGAS-ER, na área de Necessidades, oportunidades avançado tanto na oferta de cursos energias renováveis. 26 Março/Abril de 2017

PLANEJAMENTOLaboratórios especializados e PARCERIAcursos em energias renováveis SENAI e GIZ Entre as ações prioritárias que serão realizadas este ano, - Especialistas nos Comitês Técnicospor meio da parceria, estão a implantação do laboratório Setoriais Nacionais do SENAIdidático de energia eólica, que irá ampliar a oferta de cursos,como o de Operação e Manutenção de Parques Eólicos;  do - Capacitação de docentesLaboratório de Segurança no Trabalho e cursos voltados aatender o segmento de energia eólica e solar, um programa - Missões técnicas de profissionaisde capacitação de docentes e a processos para certificação do SENAI à instituições de pesquisa,internacional. Além disso, será feita uma pesquisa de de educação profissional e empresasegressos do curso de especialização técnica em energia da Alemanha (eólica, solar, biogás,eólica; implantação do curso de Especialização Técnica em eficiência energética)Eficiência Energética; ampliação da oferta dos cursos na área deenergia solar.  - Doação, por parte da GIZ, de bancada didática de energia eólica A cooperação técnica do SENAI Nacional com a instituição para o CTGAS-ERalemã GIZ acontece desde 2010, para ampliar a formação de mãode obra para o setor de energia e solar e eficiência energética. - Consultoria alemã para elaboração de materiais didáticos No período de 2011 a 2012 foram realizadas 2.258 e desenvolvimento de cursos emmatrículas em cursos de energias renováveis, sobretudo eólica, energias renováveis e eficiênciasendo 511 (26%) em nível técnico. A especialização técnica energéticaem energia eólica, fruto do Comitê Técnico Setorial Nacional deenergia eólica, é a única do Brasil neste formato e consideradacase de sucesso, com 440 matrículas em quatro anos. O curso éuma oportunidade de qualificação e de inserção no mercado deenergia eólica. Workshop traça metas senai para a educaçãoRevista da INDÚSTRIA DO RN profissional na área de energias renováveis e eficiência energética para 2017 27

VACINAÇÃO Campanha de Vacinação contra a Gripe integra o Programa de Promoção da Segurança e Qualidade de Vida do Trabalhador da Indústria Dose extra de saúde na indústria do RN Campanha contra gripe 2017 atende 6 mil trabalhadores em 45 empresas potiguaresSESI Anualmente o Serviço Social da Indústria, na promoção da saúde e de garantir um SESI/RN, realiza a Campanha de Vacinação ambiente de trabalho saudável e produtivo. Contra a Gripe, voltada para os trabalhadores “O funcionário saudável e imunizado é da indústria e seus dependentes. Este ano, serão sinônimo de uma indústria mais produtiva e, aplicadas 6 mil doses, beneficiando industriários consequentemente, mais competitiva”, conclui. de 45 empresas do Rio Grande do Norte. A aplicação a vacina acontece nos meses de O objetivo da campanha é reduzir os maio a junho, no ambiente das empresas que afastamentos de trabalhadores por gripe, aderiram a Campanha Contra a Gripe 2017. doença de relevante impacto econômico e Algumas empresas já solicitam doses da vacina, social para o indivíduo, família e sociedade.  As entre elas a 3Corações, que participa pelo indústrias interessadas em participar devem terceiro ano seguido. solicitar as doses na página do SESI, a partir da segunda quinzena de abril. A Campanha de Vacinação Contra a Gripe integra o Programa de Promoção da Segurança Para o gerente de Saúde e Segurança do e Qualidade de Vida do Trabalhador da Trabalho, Gustavo Adolfo de Lima, a adesão à Indústria, com atividades voltadas à promoção campanha é uma forma da indústria investir da saúde. 28 Março/Abril de 2017

VACINAÇÃOPrevenção ecombate a gripe Com atuação ampliada no intuito de amenas do ano, no Estado, e também quando osconstruir ambientes de trabalho mais saudáveis casos da doença são mais frequentes.e produtivos, o SESI desenvolve, junto àsempresas, ações de Promoção à Saúde que A Campanha contempla desde o processotraz diversos benefícios para industriários educativo sobre a gripe até a aplicação dase empresários. Com ênfase em resultados vacinas nas dependências da empresa. Aderirpráticos que proporcionam redução de custos à Campanha é uma forma de investir napara as empresas, a campanha de vacinação do melhoria e qualidade de vida dos trabalhadores,SESI 2017 é uma dessas ações para ficar em dia com a prevenção e combate a gripe. Entre oscom a saúde dos trabalhadores da indústria. E principais benefícios da imunização estão aocorre nos meses de maio e junho, geralmente redução do absenteísmo e do presenteísmoquando chegam as chuvas e temperaturas mais nos locais de trabalho, além da melhoria da imunidade individual e coletiva.Conheça os mitos e verdadessobre a vacina contra a gripe- A vacina pode causar gripe? e compromete o estado geral do indivíduo. O resfriado é provocado por outros vírus Mito que causam menor impacto na saúde. A vacina usa vírus inativado (morto) em sua composição, - Mulheres grávidas e queportanto, não é possível que provoque a amamentam devem tomar adoença. É importante destacar que a vacina vacina.é segura e tem a função de prevenir. Verdade- Pessoas resfriadas podem Exceto as gestantes que ainda nãotomar a vacina contra a gripe. completaram 3 meses de gravidez, salvo sob indicação médica. Verdade Se o resfriado for leve, não tem - A vacina ofertada pelo SESI problema. Mas se houver febre protege somente do vírus H1N1.aguda, é melhor esperar o quadro melhorar. Mito- Gripe é a mesma coisa que A vacina da H1N1 também protegeresfriado. contra outros vírus da gripe. Mito SESI Gripe e resfriado são doenças distintas, causadas por vírusdiferentes, mas que partilham váriossintomas em comum. A gripe provoca febreRevista da INDÚSTRIA DO RN 29

MÚSICA o jazzUm dia para SESI Big Band e Ed Motta repetem parceria em show do Dia Internacional do Jazz, em Natal Mais uma vez a SESI Big Band participa do o Dia Internacional do Jazz, no dia 30 de abril, International Jazz Day. O evento chancelado no estacionamento do Natal Shopping, com pela Unesco busca unir nações em torno do jazz entrada gratuita.   e suas raízes e está no calendário oficial das Nações Unidas. Este ano o convidado é o músico, O evento contará ainda com a participação compositor e multi-instrumentista Ed Motta. especial da Camerata de Vozes do Estado do Rio Grande do Norte. O repertório passa por O artista retorna a Natal após três anos Dixieland, At in Jazz, Duke Ellington, clássicos e num vórtice de críticas positivas com o CD como “In The Mood”. Além de composições “Perpetual Gateways” (2016), sucesso de do convidado: “Outono no Rio”, “Ondas críticas nacionais e internacionais; e listado Sonoras”, “Fora da Lei”, “Colombina”, “SOS como um dos melhores álbuns do ano pela Amor”, “Manoel”, entre outras. Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA). “Vamos fazer uma viagem por vários estilos SESI Big Band e Ed Motta retomam onde o jazz transitou”, descreve o regente a parceria de sucesso de 2014, quando Eugênio Graça. Formada em agosto de 2013, a realizaram o show de abertura do Fest SESI Big Band é composta por seis saxofones, Bossa & Jazz, mas desta vez eles celebram cinco trombones, quatro trompetes, tuba, contrabaixo, piano, guitarra, percussão e bateria. Ed Motta e SESI Big Band repetem parceria em mais Entre os artistas que já dividiram o palco um evento de jazz com a Big Band estão Ivan Lins, Yamandú Costa, Roberta Sá, Leonardo Amuedo, Claudio Infante,SESI Baby Mendes, Lenine, Mestrinho e Jorge Versillo – este abrindo a temporada de shows 2017. O próximo já está marcado para o dia 26 de maio, com a SESI Big Band Convida Waldonys. O show SESI Big Band Convida Ed Motta no International Jazz Day é uma realização do Serviço Social da Indústria (SESI/RN), Natal Shopping e Juçara Figueiredo Produções. 30 Março/Abril de 2017

RH INDÚSTRIA Focono colaboradorIEL/RN lança o Programa RH Indústria para atender empresas Com o objetivo de auxiliar na gestão de Ela acrescenta que o RH na Indústriarecursos humanos da indústria potiguar, o ajuda no recrutamento de pessoal eInstituto Euvaldo Lodi (IEL-RN) disponibiliza, tem ferramentas para contribuir naa partir de abril, o programa RH Indústria. O competitividade das empresas. EntrePrograma inclui serviços de recrutamento, os serviços oferecidos está o Banco deseleção, capacitação e desenvolvimento de Talentos no qual as empresas têm acessopessoal, gestão do desempenho, indicadores aos profissionais, bem como os profissionaisde RH, além do acompanhamento de podem inscrever os currículos.programas obrigatórios relacionados à saúdee segurança do trabalhador. Para participar o empresário, diretor, ou gestor de recursos humanos, pode entrar em O RH Indústria utiliza contato através do telefone 3204-6288/6259métodos assertivos de recrutamento e para mais informações e propostas.seleção. Além disso, o corpo de técnicosdo IEL é preparado para identificar ametodologia e o perfil ideal para cadavaga. “Aplicamos jogos empresariais,entrevistas por competências, aplicaçãode testes psicológicos, aplicação de testesespecíficos, tanto para processos seletivosabertos, quanto fechados”, explica aSuperintendente do IEL/RN, Maria AngélicaTeixeira.“O RH na Indústria IEL ajuda no recrutamento de pessoal e tem ferramentas para contribuir na competitividade das empresas.” Maria Angélica, Superintendente do IEL/RN,Revista da INDÚSTRIA DO RN 31

CERTIFICAÇÃO Qualidade em todas as etapas IEL oferece Programa de Qualificação de Fornecedores para empresas industriais Com fornecedores qualificados, “Melhora a qualidade do produto fornecido, da certificados e integrados às exigências do qualidade da gestão financeira, dos processos mercado, o empresário ganha em eficiência e de produção e de administração da empresa. produtividade, o que significa mais qualidade O aperfeiçoamento dos serviços e produtos em todas as etapas de fabricação e maior possibilita a ampliação da base de clientes competitividade. É nisso que aposta o compradores dos produtos ou serviços da Programa de Qualificação de Fornecedores empresa participante”, avalia João Xavier. desenvolvido pelo Instituto Euvaldo Lodi. No Rio Grande do Norte, o IEL/RN está A metodologia inclui a capacitação, levando o Programa à apreciação de três o desenvolvimento e a qualificação das empresas/instituições âncoras – Coteminas, empresas visando a melhoria da qualidade Petrobras e Forças Armadas – (Aeronáutica, Exército e Marinha) que desejam ver dos materiais, serviços e atendimento aperfeiçoados os produtos e serviços que adquirem das empresas locais. oferecido à cadeia produtiva e, desta forma, A empresa que desejar participar do ampliar a participação e o posicionamento Programa de Qualificação de Fornecedores deve entrar em contato com o IEL/RN, através nos mercados regional e nacional. do telefone (84) 3204-6258 e tratar com Franci Araújo, agente da Unidade de Mercado. Para o Diretor de Operações do IEL/RN, João Xavier Neto, são inúmeros os benefícios para a indústria potiguar que faz opção e investe em qualificação de fornecedores.IEL João Xavier Neto, Diretor de Operações do Março/Abril de 2017 IEL/RN, destaca os benefícios do Programa para a indústria potiguar 32

Mais competitividade CERTIFICAÇÃO IEL e participação no 33 mercado O PQF busca contribuir para o aumento do número - e da qualidade - dos negócios realizados entre empresas fornecedoras de bens e serviços industriais e as grandes e médias empresas compradoras. O Programa Nacional IEL de Desenvolvimento e Qualificação de Fornecedores já foi desenvolvido em dezessete estados, contando com 688 empresas-âncora, chegando a mais de 7.600 fornecedores. Para implementar, a empresa-âncora contrata o IEL para qualificar a cadeia produtiva e indica quais os fornecedores que ela gostaria que participasse da formação. É realizada uma sensibilização com os fornecedores atuais e potenciais da empresa para apresentação da proposta e o custo do programa é dividido entre empresa-âncora e fornecedores participantes. Empresas e fornecedores saem ganhando As empresas-âncoras, observa o diretor de Operações do IEL/RN, João Xavier, ganham com a melhoria da qualidade dos produtos e serviços que adquirem. Já os fornecedores aumentam o volume de vendas e a interação com grandes empresas. “Têm maior acesso ao mercado e a redes de contato”, afirma ele. “Ganha a empresa âncora, ganha o fornecedor”.“Ganha a empresa âncora, ganha o fornecedor.” João Xavier, Diretor de Operações do IEL/RNRevista da INDÚSTRIA DO RN

SINDICATOS FILIADOSRELAÇÃO DOS SINDICATOS FILIADOS A FIERN Sindicato da Indústria de Beneficiamento de Fibras Sindicato da Indústria da Extração de Metais Básicos Vegetais e do Descaroçamento do Algodão do Estado e de Minerais não Metálicos do Estado do Rn –Sindicato das Indústrias de Serrarias, Carpintarias e do Rn – Sindifibras SindimineraisMarcenarias do Estado do RN – Sindmóveis Presidente: José Garcia da Nóbrega Presidente: Mário Tavares de Oliveira Cavalcanti NetoPresidente: Ricardo Bezerra de Farias (84) 3271.1468 / 3204.6343 - [email protected] (84) 3204.6166 - [email protected](84) 3234.6164 - [email protected] Sindicato da Indústria de Doces e Conservas Sindicato das Indústrias de Calçados do Estado do Rn –Sindicato das Indústrias da Construçao Civil de Alimentícias do Estado do Rn – Sindal SindicalçadosMossoró – Sinduscon/Mossoró Presidente: Ednaldo Mendonça Barreto Presidente: Álvaro Coutinho da MottaPresidente: Sergio de Souza Freire Júnior (84) 3204.6172 - [email protected] (84) 3204.6343/6160 - [email protected] (84) 3316.3726 - [email protected] www.sindicatodaindustria.com.br/sindalrn/ [email protected] Sindicato das Indústrias de Curtimento de Couros e dewww.sindicatodaindustria.com.br/sindusconmossororn/ Sindicato da Indústria de Cerâmica para Construção do Peles do Estado do Rn – Sindcouros Estado do Rn – Sindicer/Rn Presidente: Gustavo Henrique Calafange MottaSindicato da Indústria de Álcool dos Estados do Rio Presidente: Vargas Soliz Pessoa (84) 3204.6160/6343 - [email protected] Grande do Norte, Ceará e Piauí – Sonal (84) 3204.6171 - [email protected] ouPresidente: Arlindo Cavalcanti de Farias [email protected] Sindicato das Indústrias de Polpas, Sucos e Derivados(84) 3206.6296 / 3206.0232 - [email protected] www.sindicatodaindustria.com.br/sindicerrn/ não Alcoólicos de Frutas Tropicais do Estado do RN –www.sindicatodaindustria.com.br/sonalrn/ SINDIFRUTAS Sindicato das Indústrias de Laticínios e Produtos Presidente: Ricardo Valença GomesSindicato da Indústria de Sorvetes, Congelados e Derivados do Estado do Rn – Sindleite (84) 3204.6329 - [email protected] ouDerivados do Estado do RN – Sindisorvete/Rn Presidente: Dalton Barbosa Cunha Filho [email protected]: Zauleide de Queiroz Leite (84) 3204.6170 - [email protected] ou(84) 3204.6330 - [email protected] [email protected] Sindicato da Indústria de Instalação e Manutenção dewww.sindicatodaindustria.com.br/sindisorvetern/ www.sindicatodaindustria.com.br/sindleitern/ Redes, Equipamentos e Sistemas de Telecomunicações do Estado do Rn – SindimestSindicato das Indústrias de Material e Laminados Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento do Presidente: Alberto Henrique Serejo GomesPlásticos do Estado do Rn – Sindiplast/Rn Estado do Rn – Siprocim/Rn (84) 3211.6655/3204.6310 - [email protected]: Maria da Conceição Rebouças Duarte Tavares Presidente: Antônio Medeiros de Oliveira ou [email protected](84) 3204.6332 - [email protected] ou (84) 3133.4488 / 3204.6344 - [email protected]@yahoo.com.br Sindicato das Indústrias Gráficas do Rn – Singraf Sindicato da Indústria da Pesca do Estado do Rn – Presidente: Carlos Vinícius Aragão Costa LimaSindicato da Indústria de Panificação e Confeitaria do Sindipesca/Rn (84) 3204.6317 - [email protected] do Rn – Sindipan/Rn Presidente: Jorge José da Silva Bastos Filho www.sindicatodaindustria.com.br/singrafrn/Presidente: Ivanaldo Maia de Oliveira (84) 3204.6342 - [email protected](84) 3231.8295 - [email protected] www.sindicatodaindustria.com.br/sindipescarn/ Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estadowww.sindicatodaindustria.com.br/sindipanrn/ do Rn – Sinduscon Sindicato da Indústria de Fiação e Tecelagem em geral Presidente: Arnaldo Gaspar JúniorSindicato da Indústria de Cerveja, Refrigerantes, no Estado do Rn – Sift/Rn (84) 3206.5362 - [email protected] ouÁguas Minerais e Bebidas em geral do Estado do Rn – Presidente: João Batista Gomes Lima [email protected] (84) 3204.6336 - [email protected]rg.br ou [email protected] www.sindicatodaindustria.com.br/sindusconrn/Presidente: Djalma Barbosa da Cunha Júnior www.sindicatodaindustria.com.br/siftrn/(84) 3204.6169 - [email protected] e Sindicato das Indústrias de Bonés e Chapéus do [email protected] Sindicato da Indústria do Vestuário no Estado do Rn – do Rn – Sindibonés/Rnwww.sindicatodaindustria.com.br/sicramirn/ Sindvest Presidente: Jaedson Dantas Presidente: Marinho Herculano de Carvalho (84) 99683.6263/98880.1060 - [email protected] ouSindicato das Indústrias de Mármore, Granito e Pedras (84) 3204.6331 - [email protected] [email protected] do Estado do Rn – Simargran www.sindicatodaindustria.com.br/sindvestrn/ www.sindicatodaindustria.com.br/sindibonesrn/Presidente: Francisco Nunes de Sousa(84) 3204.6341 - [email protected] Sindicato da Indústria de Torrefação e Moagem do Café Sindicato das Indústrias de Reciclagem e Descartáveiswww.sindicatodaindustria.com.br/simargranrn/ do Estado do Rn – Sindicafé do Estado do Rn – Sindrecicla/Rn Presidente: Heyder de Almeida Dantas Presidente: Roberto Pinto Serquiz EliasSindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de (84) 3204.6167 - [email protected] ou (84) 3204.6294 - [email protected] Elétrico do Estado do Rn – Simetal [email protected] www.sindindustria.com.br/sindireciclarnPresidente: Francisco Vilmar Pereira www.sindicatodaindustria.com.br/sindicafern/(84) 3204.6165 - [email protected] Sindicato das Indústrias de Extração de Calcário,www.sindicatodaindustria.com.br/simetalrn/ Sindicato das Indústrias de Panificação e Confeitaria Fabricação de Cimento, Cal e de Argamassa do Estado de Mossoró e Região Oeste e Salineira do Rn – do Rn – Sinecim/RnSindicato da Indústria da Extração do Sal no Estado do Sindpam Presidente: Marcelo Caetano Rosado Maia BatistaRn – Siesal Presidente: Eriosmar de Assis Torres (84) 3204.6351 - [email protected]: Francisco Ferreira Souto Filho (84) 3314.8236 - [email protected] ou(84) 3317.0556 - [email protected] [email protected]/siesalrn/ www.sindindustria.com.br/sindipamrn EXPEDIENTEREVISTA DA INDÚSTRIA DO RIO GRANDE DO NORTE – Ano V – Número 24 – Março/Abril 2017Publicação bimestral da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Norte editada pela Unidade de Comunicação Corporativa do Sistema FIERN (UNICOM).Tel: 55 (84) 3204-6270 Home: www.fiern.org.br E-mail: [email protected] Twitter: @SISTEMAFIERNGerente de Comunicação Corporativa - UNICOM/FIERN Albimar Furtado. Consultor de Comunicação Ricardo Rosado. Coordenador de Redação Tácito Costa. Editora Sara Vasconcelos.Redação Aldemar Freire, Anna Cláudia Costa, Josilma Lopes, Ascom-CNI. Arte Thúlio Rego. Fotos Equipe Unicom/CNI. Estagiários Liene Titan, Isabela Maia, Raíssa Dias.Secretárias Adriana Carla e Tereza Duarte. Diagramação e Publicação Digital Terceirize.34 Março/Abril de 2017




Like this book? You can publish your book online for free in a few minutes!
Create your own flipbook