Important Announcement
PubHTML5 Scheduled Server Maintenance on (GMT) Sunday, June 26th, 2:00 am - 8:00 am.
PubHTML5 site will be inoperative during the times indicated!

Home Explore livro ASDAB 30 ANOS

livro ASDAB 30 ANOS

Published by ssinotti, 2022-11-17 16:22:33

Description: livro ASDAB 30 ANOS

Search

Read the Text Version

Copyright: Asdab – Associação dos Agentes de Distribuição da Bahia Todos os direitos reservados, nos termos da Lei 9.610/98 Editor Responsável: Sérgio Sinoti – Jornalista – Registro Profissional MTPS nº 10.785-SP Projeto Gráfico, Diagramação, Editoração e Arte-final: Ponto & Vírgula Publi- cações ([email protected]) Capa: Tito Bosco Texto final e Revisão linguística: Sérgio Sinotti Ilustrações: Fotos: Mário Sérgio/acervo da Asdab. Coordenação e Revisão técnica: Emerson Carvalho Produção e Coordenação de pauta: Wellington L. Sampaio e Noberto Araújo Apoio administrativo: Rogério Almeida e Luciene Marta B. Lemos Impressão e acabamento: GRASB – Gráfica Santa Bárbara, Salvador. Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Catalogação na Fonte: SINOTI, Sérgio – ASDAB: 1992/2022– 30 anos de luta pelo direito do baiano vender na Bahia – Sérgio Sinoti – Salvador, Ponto & Vírgula Publicações, 2022 92 p. il. color. 1. Comércio atacadista 2 Bahia – História. I. Asdab-BA II. Título. CDD: 380


ASSOCIAÇÃO DOS AGENTES DE DISTRIBUIÇÃO DA BAHIA Salvador Shopping Business, Alameda Salvador nº 1.057, Torre Europa, Salas 2106 a 2114 Caminho das Árvores – CEP: 41820-790 Salvador (BA) – Site: https://www.asdab.com.br Email: [email protected] PRESIDENTE: Roberto Spanholi Samarone M. F. da Silva (Norte) 1º VICE-PRESIDENTE: Hélio Ferreira Aldo Sena Macedo e Silva (Leste) 2ºVICE-PRESIDENTE: Maurício No- Sinval O. do Nascimento (Oeste) gueira Anízio J. dos Santos Nogueira (Sul) DIRETORES: Cássio Magno Sou- za Santos, Fernando Antônio Lins Marcelo Brito Moreira (Sudoeste) Neto, Hélder Morais Lima, Israel Joaquim de Andrade Jr, Jorge Lins, CONSELHO FISCAL: Jorvan Pereira Andrade, Lauro Alves Moreira, Marcos Aurélio Anjos Al- Presidente: Antônio A. Cabral Filho meida, Marcos Silva Gordilho, Tiago Carneiro de Almeida Membros Efetivos: Marcelo Valada- res,Victor R. S. do Nascimento, DIRETORES REGIONAIS: Membros Suplentes: Antônio Fer- Leonardo V. Régis (Metropolitana) nando R. de Almeida, Leninho Sam- paio, Maria Eliana S. dos Santos. Adriano Matos Souza (Recôncavo)


Sumário 07 Apresentação 09 A evolução do Canal Indireto de Distribuição e Abas- tecimento Como tudo começou 13 Justa homenagem aos pioneiros 14 GALERIA DOS PRESIDENTES Hélder Morais Lima 21 Noberto Araújo 24 Jorge Lins 28 Israel Andrade 31 Nilson Borges 34 Antônio Cabral Filho 37 Roque Eudes dos Santos 39


42 Roberto Spanholi 45 As conquistas da Asdab: Decreto 7799: a redenção do setor atacadista 50 Depois do Decreto 7799 54 Homenagem da Abad 57 Decreto 14.213: outra vitória 58 Frente Parlamentar: a institucionalização do apoio político 62 2016: Asdab garante benefícios do Termo de Acordo 63 PL 05/21: a prorrogação dos benefícios 66 Termo de Cooperação com o governo do Estado 69 Asdab e Sindatacado: interação e sinergia 71 As sedes da Asdab 77 Por que ser associado da Asdab 80 Nossos associados 90 Nossos parceiros


Apresentação Omotivo da edição deste livro As páginas que serão lidas a se- é, especialmente, registrar a guir mostrarão um pouco da histó- trajetória de sucesso de uma ria construída até aqui e projetarão associação nascida há 30 anos, a As- a nossa visão de que “o futuro nada dab, para promover o desenvolvimento mais é que o resultado de sonhos pos- do setor atacadista e distribuidor da tos em ação”. Bahia. (Roberto Spanholi – Presidente) Sinto-me lisonjeado, de modo especial, por estar, no momento, pre- sidindo essa entidade e contribuindo para torná-la, cada vez mais, reconhe- cida pela seriedade com que busca de- fender os interesses da categoria. Es- forço que não compete apenas a mim, mas que é fruto da dedicação da minha diretoria e do time executivo na pro- moção do êxito do modelo associativo. Importantes iniciativas, como continuar assegurando benefícios fis- cais para o setor, adoção de um mo- delo de gestão colegiada, expansão da base de associados, interação com os poderes públicos e as autoridades são exemplos de ações no nosso modelo de gestão. 7


ATOTVS parabeniza a ASDAB pelos seus 30 anos de muita contribuição para a cadeia de abastecimento da Bahia, com parceiros consolidados no mercado e levendo evolução para seus associados. Uma parceria que se fortalece cada ano, iniciada por meio da PC Sistemas apresentando o sooware Winthor para os associados da ASDAB. Em 2014, a TOTVS, maior empresa de tecnologia de sooware do Brasil, adquiriu a PC Sistemas, aumentando ainda mais seu porrólio de soluções de tecnologia, passando a invessr ainda mais em sua evolução, levando para seus clientes mais controle e segurança para seus negócios. A TOTVS agradece a ASDAB e a todos seus clientes pela confiança depositada em nossa tecnologia. Somos líderes no mercado de atacadistas e distribuidoras, graças a esta parceria de sucesso. PARABÉNSASDAB 8


A evolução do canal indireto de distribuição e abastecimento Omercado atacadista da Bahia, consumidores finais ou varejistas, que a exemplo do que ocorre em compõem o mercado brasileiro. outros estados e países, pas- sou e vem passando por uma profun- Cabe aqui uma abordagem mais da transformação. O cenário, hoje, é didática do assunto, para se entender bem diferente do que era em 1992, a complexidade que hoje caracteriza o quando foi fundada a Asdab. sistema de distribuição de produtos, massivo e utilizador de alta e variada Naquela época já estava con- gama de recursos tecnológicos e de solidada a ideia de que o sistema de logística. distribuição indireta de mercadorias e serviços é essencial para um abas- O que é canal de distribuição tecimento mais econômico e mais eficiente. Algumas indústrias conti- Um canal de distribuição é um nuaram vendendo diretamente seus meio utilizado pelas empresas para en- produtos aos varejistas, mas em pro- tregar seus produtos ao cliente final, porção insignificante. garantindo que estejam disponíveis no lugar certo, na hora certa e na quan- E o mercado continuou evoluindo tidade ideal. Esse canal pode ser um para a distribuição indireta, na Bahia, representante de vendas, um ataca- no Brasil e no mundo capitalista. As dista ou uma rede varejista, por exem- indústrias fornecedoras se convence- plo, dependendo do modelo de negócio ram de que é mais lógico e mais viável, e estratégia da empresa produtora. economicamente, venderem para em- presas distribuidoras, em vez de fica- Por isso, cabe ao marketing da rem disputando entre si os milhões de indústria selecionar quais são os me- lhores canais de distribuição, levando 9


em conta a agilidade logística, custo- Canal indireto -benefício e perfil dos consumidores. Essa escolha tem um impacto decisi- O canal indireto envolve um in- vo nos resultados da empresa, pois, termediário responsável pela distri- cada vez mais, é preciso garantir que buição, que deverá garantir a entrega os produtos cheguem rapidamente dos produtos conforme acordado com até o consumidor e atendam às suas a indústria produtora. Esse terceiro expectativas. pode ser um distribuidor, atacadista, varejista, franqueado, broker ou re- Há vários tipos de canais de dis- presentante comercial, por exemplo. tribuição, agrupados em duas gran- des categorias: diretos e indiretos. Geralmente, as empresas se- lecionam vários intermediários para Canal direto compor sua estratégia de distribui- ção, levando em conta aspectos como: Na distribuição por canal direto, a empresa é a única responsável pela • A proximidade do centro de dis- entrega dos produtos aos consumi- tribuição da empresa (para facilitar a dores, sem nenhum intermediário no logística); processo. É o caso, por exemplo, do sistema de vendas porta-a-porta e • Localização e condições am- por catálogo, utilizados por empresas bientais do ponto de venda; como Natura, Avon e Boticário. Nes- se modelo, as empresas contratam • Relacionamento com os sho- promotores e consultores autônomos ppers (compradores), frequência de para atuar como revendedores. compra e amplitude do público O e-commerce tanto pode ser • Qualidade logística, operacional considerado um canal de distribuição e de marketing; direta, desde que a indústria seja res- ponsável pela logística de entregas, • Custo-benefício e condições da quanto indireta, quando a empresa parceria com o intermediário. produtora se utiliza de um interme- diário para distribuir seus produtos. Com base nesses critérios, a empresa pode escolher entre três ti- pos de distribuição indireta: 10


• Distribuição exclusiva: a empresa profissionais que, isoladamente, têm seleciona alguns poucos canais de dis- pouco poder de negociação junto aos tribuição e firma um acordo de exclusi- fabricantes e distribuidores. vidade, como no caso de concessioná- rias de veículos e redes de franquias; O princípio do Cash and Carry é que o próprio cliente escolha o produ- • Distribuição seletiva: a empresa to diretamente nas prateleiras, com- escolhe um número restrito de canais prando-o e levando-o com ele, evitan- de distribuição com o intuito de valori- do assim os custos com vendedores, zar o produto, selecionando apenas os com transportes e com diversos tipos pontos de venda que se adequam ao de serviços não essenciais. Por outro seu público-alvo (ex: mercado de luxo); lado, o mix de produtos é geralmen- te menor do que nos varejistas tra- • Distribuição intensiva: a empre- dicionais, e os produtos são vendidos sa procura atingir o maior número em embalagens institucionais e packs possível de consumidores nos mais de grande dimensão, o que permite a diversos canais, já que oferece produ- prática de preços mais baixos. tos de alto giro e baixo valor agrega- do, como bebidas, itens de higiene e O conceito inovador de Cash and alimentos. Carry foi apresentado na Alemanha há mais de 40 anos pelo professor Dr. Cash and carry Otto Beisheim, que em 1964 abriu o primeiro estabelecimento deste tipo O nome ainda é estranho para o na cidade de Mülheim (Ruhr). Trazido brasileiro. A expressão, de origem in- para o Brasil pelo Makro, em 1972, glesa, (também conhecida como ata- o chamado sistema vem crescendo e cado de autosserviço ou ainda ataca- travando uma guerra entre os grupos rejo), designa um sistema comercial gigantes do ramo. de livre serviço, onde o ponto de venda oferece um modelo de negócios híbri- E-commerce do, voltado tanto para o comprador profissional (transformadores e pe- E-commerce significa electronic quenos varejistas) como para o consu- commerce, que quer dizer “comércio midor final. Este modelo tem especiais eletrônico”, na tradução do inglês. O vantagens para os pequenos comer- termo refere-se às transações co- ciantes, transformadores e grupos merciais realizadas pela internet – via 11


computadores, celulares e tablets – e tendências do mercado e oferecer ao também aos sites de venda de mar- público soluções mais práticas e tec- cas próprias. nológicas. Primeiramente, é importante Forte concorrência reforçar que há diferenças entre as categorias de comércio online, espe- Como se vê, o sistema e-com- cialmente em relação a e-commerces merce é um forte concorrente das e marketplaces. Um e-commerce pro- empresas distribuidoras tradicionais, priamente dito vende produtos de uma que ainda são a grande maioria, na única loja, enquanto os marketplaces Bahia e no Brasil. Como essa “novi- trabalham com diferentes lojistas. dade” veio para ficar, e cada vez se Ou seja, os marketplaces servem de amplia mais, cabe às empresas de intermediadores entre vendedores e distribuição e abastecimento, que clientes. compõem a maioria dos associados da Asdab, adaptarem-se, utilizando-se O comércio virtual mostrou ser de recursos de tecnologia e logística, uma excelente alternativa para as para sua sobrevivência. E cabe à As- empresas que desejam ganhar visibili- dab, bem como a suas congêneres de dade, alcançar novos públicos, traba- outros estados, e a entidade nacional lhar com produtos de nicho, reduzir os do setor, a Abad, zelar pelos interes- gastos e aumentar as vendas. Além ses de seus associados, junto às di- disso, uma parcela cada vez maior da versas esferas de governo. Tarefa que população virou adepta das compras essas entidades vêm cumprindo, com online, principalmente durante a pan- galhardia, conforme se pode ver ao demia de Covid-19. longo deste livro. (*) Hoje, é possível vender pratica- *) Fontes (consultadas em 12.09.2022): mente qualquer tipo de produto pela https://capitalresearch.com.br/blog/canal-de-distribuicao/ internet, incluindo alimentos, auto- https://adnews.com.br/cash-and-carry-invade-o-brasil/ móveis e imóveis, por exemplo. Como https://olist.com/blog/pt/como-empreender/e-commer- resultado, muitas empresas tradicio- ce/o-que-e-e-commerce/ nais do varejo físico estão investindo no e-commerce próprio para reforçar a presença digital, acompanhar as 12


Como tudo começou Ata de constituição Reprodução parcial (montagem) de registro no Livro de Atas original, que se encontra nos arquivos da Asdab. 13


Justa homenagem aos pioneiros Tudo começou em Feira de San- Jorge Lins tana, por volta de 1990/91. Um grupo de empresários locais do estadual. Um grupo de empresários setor de distribuição atacadista, que de Salvador, liderados por Sinval Bar- se reunia informalmente, para confra- reto, mais Leninho Sampaio, Raimun- ternização, resolveu criar uma asso- do Menezes, Luiz Gomes e outros, ciação de classe, que os representas- eventualmente ia até feira para avan- se, para, assim, terem mais chance çar nos entendimentos. E assim se de serem atendidos pelo estado ou decidiu pela criação da Adab – Asso- pelo município, em suas reivindica- ciação de Distribuidores Atacadistas ções. Foi então criada a Afaga – As- do Estado da Bahia, que veio a se con- sociação Feirense dos Atacadistas de cretizar em 26 de novembro de 1992. Gêneros Alimentícios, com territoria- lidade municipal. Também participava da empreita- da um grupo de Vitória da Conquista, Esse movimento contava com a outro importante polo de distribuição participação de Jorge Lins, Dásio Bra- atacadista na Bahia. Em toda oportu- sileiro, Hélio Almeida Júnior, Orlando Braga, Hélder Morais, Janduí Andra- de, Paulo Brandão e outros. O primeiro presidente foi Dásio. Em contato com os distribuidores atacadistas de Sal- vador, em eventos dos quais partici- pavam, a ideia da Afaga era discutida, no sentido de se criar uma associação 14


Sinval Barreto empresa do pai, a Sergel Química, no Porto Seco Pirajá, Salvador. nidade, como eventos regionais, dis- cutiam a tese da criação de uma en- Outro pioneiro importante é Wel- tidade estadual que representasse os lenilson (Leninho) Leão Sampaio. Nas- distribuidores atacadistas de toda a cido em Iaçu (BA), em 25.04.1956, Bahia, pois todos tinham os mesmos veio com pouco mais de dois anos problemas e as mesmas necessidades. para Salvador, acompanhando a famí- lia. Seu pai, Otaviano Possidonio Sam- É de justiça registrar e desta- paio, em 1962 abriu na capital a Sam- car a atuação desses pioneiros. Um paio Representações e Distribuição deles é Sinval Barreto, que começou Ltda, em sociedade com um amigo, a trabalhar no ramo de distribuição Luiz Gomes. Otaviano era o associa- atacadista em 1983, aos 17 anos, na do majoritário. Leninho ingressou na empresa do pai, em 1976, após en- Leninho Sampaio cerrar, precocemente, uma promis- sora carreira de jogador profissional de futebol, no Esporte Clube Vitória. Iniciou-se como promotor de vendas. Em janeiro/1984, o irmão mais velho, Wellington, comprou a parte do pai na sociedade. Em dezembro/1984, Wellington transferiu para Leninho sua participa- ção, e ele assumiu então a gestão da Sampaio Representações. Leninho é o único associado que participou como diretor, desde a pri- meira gestão (Hélder), seja na Asdab, seja no Sindatacado, que mais tarde passou a atuar conjuntamente com a Associação. Leninho, hoje, é vice- -presidente do Sindicato e membro do 15


Conselho Gestor da Asdab. É, portan- Outro pioneiro que continuou to, um exemplo cabal do dirigente com doando sua dedicação à Asdab é Rai- espírito associativista e um lutador mundo Menezes, nascido em Riachão abnegado pelas causas do setor. do Dantas (SE), em maio de 1938. Com 18 anos (1956) foi levado para Se a Asdab tem sobrevivido e se trabalhar no Armazém de Mamede consolidado como legítima represen- Paes Mendonça, em Salvador, mes- tante dos empresários do setor, é mo destino de seus cinco irmãos. graças a abnegados como Jorge Lins, Começou como office-boy. Depois foi Sinval, Leninho, Raimundo Menezes, vendedor, chefe de depósito, chefe de Hélder, Noberto e outros, que, sem transporte, e finalmente gerente de remuneração, dedicaram e dedicam supermercado. boa parte de seu tempo à Associação. Em épocas de vacas mais magras Saiu de Paes Mendonça em 1988 chegaram a arcar com recursos pró- e abriu uma empresa de distribuição prios, quando necessário, para bancar atacadista, na Calçada, em sociedade interesses da entidade, como no caso com dois amigos. Era a Bom Gosto Dis- da luta pelo Decreto 7799, quando 10 tribuidora Ltda, que ele dirige até hoje. diretores se cotizaram para juntar 50 mil reais necessários para formular Foi assim que, por volta de projetos e contratar advogados. 1990/91, em contato com outros colegas empresários do setor, enga- Raimundo Menezes jou-se na luta pela fundação de uma entidade de classe que representasse os atacadistas distribuidores. Ele já tinha convicções associativistas. Raimundo participou da primeira diretoria, na gestão de Hélder, como diretor financeiro, cargo que conti- nuou ocupando, sucessivamente, com os demais presidentes, até 2010, na gestão de Nilson. A partir daí, seu fi- lho, Ronaldo Góes Menezes, foi dire- tor da associação por quatro anos. 16


Antes da fundação da Adab, era Em 26 de novembro de 1992, re- péssima a imagem das empresas de uniram-se, 28 pioneiros, em Salvador, distribuição atacadista junto ao gover- e formalizaram a criação da Adab — no do Estado e, consequentemente, Associação de Distribuidores Ataca- junto à opinião pública. Cada empre- distas da Bahia. A ideia consensual era sa procurava resolver individualmente que a presidência da Entidades ficasse seus pleitos junto ao poder público. com Sinval Barreto, líder principal do Evidentemente, só conseguiam ser grupo, cabendo-a Hélder a vice-pre- recebidos os dirigentes das empresas sidência. Mas, por razões pessoais, mais poderosas. Recebidos, mas nem Sinval preferiu abdicar da Presidên- sempre atendidos. A categoria era cia e propôs o nome de Hélder para vista como um grupo de sonegadores o cargo, o que foi aceito pelo grupo. de impostos. 17


18


GALERIA DOS PRESIDENTES Ao longo desses 30 anos de ati- vezes em detrimento de seu próprio vidades, coube a oito abnegados a negócio. Deve-se a eles boa parte do honra de conduzir os destinos da sucesso da Asdab e da sobrevivência Asdab, como Presidentes. Cada um e evolução do comércio de distribui- a seu turno, bem como os Diretores ção e abastecimento na Bahia. Nas que os acompanharam, dedicou à páginas seguintes, está registrada a entidade parte de seu tempo, de seu trajetória de cada um. talento e espírito de associativismo, às 19


Hélder Morais Lima 1992/1997 Hélder Morais Lima nasceu em Na adolescência foi para Salva- Jacobina (BA), em 21 de fe- dor, para concluir o ensino fundamen- vereiro de 1958. Foi o quinto tal e, em seguida, cursar a Escola de uma longa lista de 10 irmãos. O Técnica Federal da Bahia. Findo o cur- pai inicialmente foi balconista e depois so, foi trabalhar no Polo Petroquímico gerente de uma farmácia, em Jacobi- de Camaçari. na, onde os filhos, desde pequenos, ajudavam nos trabalhos internos. Foi Em 1979, ingressou, como com- bem precoce, portanto, o ingresso de prador, na Drogafarma, da qual seu Hélder no universo do comércio. pai era sócio fundador, em Feira de Santana. Na época, a Drogafarma era a maior distribuidora de medicamen- tos do Nordeste. Em 1985, Hélder tornou-se só- cio minoritário da Aporte, uma em- presa criada pela Drogafarma para distribuir, inicialmente, produtos cos- méticos, e depois, também, do ramo alimentício. Sua ligação com a Droga- farma durou até 1995, quando a em- presa entrou em concordata. Formado em Administração pela UEFS, em 1994, Hélder foi um dos participantes do movimento que levou 21


à criação da Adab, conforme relata- A outra luta, mais importante, foi do em capítulo específico deste livro. junto ao governo, para resolver o prin- Hoje, ele é sócio e gestor da distribui- cipal problema, a alta taxação de ICMS dora atacadista Atlântico Sul. a que as empresas atacadistas esta- vam sujeitas, colocando-as em des- Primeiras preocupações vantagem junto a empresas de outros estados, submetidas a uma alíquota Desde o início de seu mandato, a muito menor, o que tornava as em- preocupação principal da Diretoria se presas baianas sem competitividade. dividia em dois focos: a conscientiza- Esse era, de fato, o principal problema. ção do empresariado do setor para as vantagens do associativismo, da união Foram então intensificados os entre as empresas e a necessidade de contatos com as autoridades gover- práticas éticas, eliminando-se com- namentais e com lideranças políticas, portamentos individuais muitas vezes para expor a questão e buscar uma reprováveis, para o alcance dos obje- solução, procurando reverter aquela tivos. Para tanto, a Diretoria investiu imagem negativa de que as empresas em programas de treinamento e for- atacadistas seriam notórias sonega- mação de mão de obra nas empresas doras de impostos e pleiteadoras de associadas, política que continuou benefícios. Queriam que o poder pú- norteando as administrações seguin- blico passasse a ver a importância do tes. Nesse aspecto, muita coisa se setor atacadista na economia do es- conseguiu, mas ainda há grande parte tado, que necessitava de uma tribu- do empresariado do setor a ser con- tação justa, que lhe desse condições quistada. Prova disso é que são pouco de competitividade para enfrentar as mais de 200 os associados da Asdab, empresas de outros estados. e passa de 1.000 o número de empre- sas que se beneficiam com a redução de Essa luta continuou, em duas alíquota permitida pelo Decreto 7799. frentes: junto às autoridades do es- tado e com representantes políticos, Em 1994, Hélder conseguiu tra- independentemente de conotações zer para Salvador o congresso nacional partidárias. Junto ao governo, parti- da Abad, evento que contribuiu para a cularmente a Sefaz, avançou o tra- maior visibilidade e credibilidade da As- balho de quebrar resistências. Mas dab junto ao empresariado do setor. 22


faltava mobilização política para que o em crescimento substancial de ven- grande resultado fosse alcançado, o das e, consequentemente, aumento que somente viria a acontecer no ano de arrecadação. 2000, já na gestão de Noberto. Na frente política, foram manti- Aos poucos foi se apagando dos contatos e reuniões com vários aquela ideia puramente burocrática parlamentares, mas o assunto não contrária à diminuição de alíquota de prosperava. A situação só veio a ser ICMS, até que se conseguiu conven- revertida com a gloriosa conquista do cer os interlocutores de que a diminui- Decreto 7799, já no ano 2000, na ção de alíquota tornaria as empresas gestão de Noberto na Presidência. mais competitivas, o que resultaria Composição da Diretoria – Período 1992/1997 PRESIDENTE: Hélder Morais Lima Membros Efetivos: Leninho Sampaio, Gildásio Rodrigues 1º vice-presidente: Sinval Barreto de Souza CONSELHO FISCAL: 2º vice-presidente: Raimundo Souza Presidente: Sérgio Trindade DIRETORES: Carlos Maia, Ubiraci da Vice-presidente: Teobaldo F. da Cruz S. Monteiro, Marcos Brandão, Itamar Fontes Membro efetivo: Hélio Almeida CONSELHO CONSULTIVO: Membros suplentes: Luís Leahy, Ma- rivaldo Mota. Presidente: Raimundo Menezes 23


Noberto Araújo 1998/2001 foi ser balconista na Mesbla, na época uma grande loja de departamento. Noberto Souza Araújo nasceu Como sócio do Clube Social dos em Sumé (PB), em 31 de julho Funcionários da Mesbla, logo se inte- de 1940. Com três anos de ressou pelas atividades sociais do grê- idade foi levado para Recife, para ser mio, sendo convidado para ajudar na criado por um tio. Sua ligação com o organização e realização de eventos. comércio começou aos sete anos de Aí se revelava uma outra vocação sua, idade, quando já ajudava o tio no bal- o gosto e o talento para organizar e cão de sua venda de secos e molhados. conduzir festas, tornando-se autên- Iniciou-se aí uma longa carreira, sem- tico mestre de cerimônias. Atividade pre ligada ao comércio. Aos 18 anos na qual também se destacaria mais tarde, com eventos promovidos pela Asdab, tanto em sua gestão quanto na de Nilson (2011/14), que o convi- dou especialmente para isso. Também exerceu essa atividade de mestre de cerimônia, durante 18 anos, nos even- tos promovidos pela Abase – Associa- ção Baiana de Supermercados. Aos 26 anos (1966), foi para Belo Horizonte, trabalhar para uma empre- sa corretora de seguros. Três anos 24


depois, a empresa o transferiu para Ao final da segunda gestão de Salvador. Permaneceu nessa atividade Hélder, ninguém queria se candida- até 1970, quando foi chamado para tar para sucedê-lo na presidência da trabalhar na Bombril, como funcio- Asdab. O trabalho era muito; o reco- nário/vendedor. Essa etapa durou 20 nhecimento, muito pouco. Quem acei- anos, e ele evoluiu para supervisor e, tou o desafio foi Noberto. Felizmente, finalmente, gerente da filial da Bombril pois, com seu espírito empreendedor em Salvador. e sua liderança carismática, teve im- portância fundamental em incentivar a Em 1990 ele foi demitido do qua- prática do associativismo, no conven- dro da Bombril, como funcionário, e, cimento da importância da entidade, a convite da Empresa, abriu uma em- principalmente na luta pela conquista presa que passou a ser a distribuido- do Decreto 7799. ra dos produtos da Bombril para todo o estado da Bahia. E assim foi eleito para a presidên- cia, no biênio 98/99, e reeleito para Filiou-se à Asdab em 1992, ano um segundo mandato, 2000/2001. em que a entidade foi criada, e desde logo começou a se interessar pelas Estava certo Hélder em ter atividades da associação. Em novem- apostado em Noberto. Ao terminar bro de 1997 encerrava-se o segundo seu segundo mandato, em 2001, dele mandato de Hélder, que, por razões deixou a marca indelével de ter feito particulares, decidiu não concorrer a um excelente trabalho, o que ficou um terceiro mandato. evidenciado pelas conquistas obtidas Mudança de Adab para Asdab Durante o congresso estadual em Ilhéus, em dezembro/99, a Diretoria da Adab foi alertada sobre a existência de um órgão do governo estadual com a mesma sigla, a Adab – Agência de Defesa Animal da Bahia. Em 2001, quando foram alterados os estatutos, foi alterada a sigla para Asdab, para evitar a homonímia. Mais tarde, em 2008, a razão social foi alterada de Associação dos Distribuidores Atacadistas da Bahia para Associação dos Agentes de Distribuição da Bahia, mantendo-se a sigla Asdab. 25


pela entidade, principalmente o De- evento seria um prejuízo enorme. Uma creto 7799. solução técnica, possível, seria a ins- talação de 20 vigas de sustentação, Outra realização importante de de aço, no andar térreo, o que acarre- sua gestão foi trazer para a Bahia, em taria um grande custo, na aquisição, dezembro de 1999, o Congresso na- transporte e instalação dessas vigas. cional da Abad, graças ao bom relacio- namento que mantinha com a entida- Noberto relatou o problema a de nacional e seu presidente, à época, Paulo Pennacchi, que prontamente se Paulo Pennacchi, que prestigiou muito dispôs a providenciar as vigas, trans- a Asdab, como entidade, e a ele, pes- portá-las para Salvador e mandar ins- soalmente como presidente. talar no Centro de Convenções. Pro- blema resolvido. Um incidente durante a prepa- ração do certame revela o empenho O congresso representou muito e comprometimento com as entida- para a Asdab, em termos de prestígio de que presidiam, tanto por parte de e visibilidade. Na época, a Asdab es- Noberto quanto de Paulo. 45 dias an- tava ainda engatinhando em sua luta tes da data marcada, todos os estan- para angariar associados e a conven- des já vendidos para os participantes, cer os atacadistas baianos da impor- Noberto foi surpreendido com um te- tância do associativismo. Nunca mais lefonema da administração do Centro a Bahia teve a honra de sediar outro de Convenções de Salvador, dizendo evento nacional da Abad. que uma análise técnica revelara que o prédio não suportaria o volume de Mas o mandato de Noberto es- peso a que seria submetido com o tava no fim. E dessa vez, até pelo su- evento, considerando-se aí o público cesso de sua administração, e pelos participante e os materiais e equipa- resultados alcançados, havia outras mentos instalados. pessoas interessadas em assumir a presidência. E Noberto foi avisado de Não havia outro local em Salvador que não continuaria por mais um man- que pudesse ser utilizado. Cancelar o dato. O eleito foi Jorge Lins. 26


Composição da Diretoria – Período 2002/2008 PRESIDENTE: Noberto Souza Araújo 1º Vice-Presidente: José da S. Men- donça Neto Vice-Presidentes: Leninho Sampaio, Suplente: Maria Eliana S. Santos Itamar Góis Fontes, José Marinaldo 2º Vice-Presidente: José Oldegar S. Mota, Sinval Barreto de Araújo, Rai- Santos mundo Menezes. Suplente: Jorge Tadeu P. Lauro DIRETORES REGIONAIS: CONSELHO CONSULTIVO: Jorge Lins – Feira de Santana Teobaldo F. Cruz – Ilhéus Presidente: Hélder Morais Lima Sérgio Trindade – V. da Conquista José Arcênio Soares – Alagoinhas 1º Vice-Presidente: Eduardo Araújo Vicente Rocha – Juazeiro. Mateus 2º Vice-Presidente: Jefferson Costa Ribeiro CONSELHO FISCAL: Presidente: Jordan B. Andrade Suplente: Antônio Carlos M. Maia 27


Jorge Lins 2002/2008 Jorge Raimundo Lins Neto nas- Jorge Lins foi um dos pioneiros ceu em Feira de Santana, em no movimento que resultou na criação 28 de abril de 1963, e lá re- da Adab, hoje Asdab, e desde então side até hoje. Iniciou-se no comércio sempre teve participação destaca- atacadista aos 17 anos, como “faz da nos destinos da Associação. Em tudo” na empresa do pai, a Bom- 2002, findo o segundo mandato de boniere Atacadista, que depois se Noberto, ante a insistência geral, transformou na Miramar Atacadis- Jorge assumiu a presidência da enti- ta. Em 1992 fundou a Mirasol Dis- dade, por quatro mandatos consecu- tribuidora de Alimentos Ltda, que di- tivos, de 2002 a 2008. rige até hoje, em Feira de Santana. Em sua gestão, Jorge Lins en- trou em entendimentos com a Abase, a Associação Baiana de Supermerca- dos, para promoverem em conjunto seus eventos, como congressos, fei- ras e comemorações, principalmente as de fim de ano. A finalidade era redu- zir esforços de organização e, princi- palmente custos, aliviando os fornece- dores, que, ao invés de patrocinar dois eventos, tinham apenas um. Saíam ganhando as duas entidades e os for- necedores, além dos participantes. 28


Ao final de seu quarto mandato, Esse aspecto ficou bem acen- Jorge se convenceu de que era hora tuado na recente pandemia, quando de sair e entregar o poder a nova li- a frota de caminhões dos distribuido- derança, pois a alternância do poder res continuou garantindo o abasteci- é sempre benéfica. E Nilson foi o es- mento de regiões remotas, evitando a colhido. falta de produtos, com sérias conse- quências para os consumidores, para Jorge destaca o papel social da os próprios varejistas e para o Esta- Asdab. É inegável, para ele, que o ca- do, de maneira geral. nal de distribuição indireta não tem somente a finalidade comercial, lucra- Alcançado o Decreto 7799, se- tiva. Ele tem um sentido altamente gundo Jorge Lins, o foco da Asdab social, ao permitir o amplo abasteci- foi conseguir que mais empresas se mento da população, a um custo in- inscrevessem para usufruir de seus ferior. Esse benefício se estende aos benefícios, contribuindo assim para municípios do interior, mesmo os mais a geração de mais empregos e ren- longínquos e com dificuldades de aces- da, enfim, para o desenvolvimento do so, por problemas de estradas ou de estado. Ao mesmo tempo, a entidade equipamentos como pontes etc. passou a procurar essas empresas e tentar convencê-las a se associar. Composição da Diretoria – Período 2002/2008 PRESIDENTE: Jorge Lins teus, Gildásio Lemos Rodrigues, Is- rael Joaquim Andrade Jr., Jefferson 1º Vice-Presidente: Raimundo de C. Ribeiro, Luiz de Araújo Viana Filho, Menezes. Márcio Valadares Silva, Sérgio Alves Trindade, Zenildo Lemos Rodrigues 2º Vice-Presidente: Sinval Barretto de Souza DIRETORES REGIONAIS: DIRETORES: Metropolitana: Leninho Sampaio Antônio Adolfo M. Bezerra, Delwil- Sudoeste: Jordan B. Andrade son S. Santos, Eduardo Araújo Ma- 29


Recôncavo: Nilson Borges CONSELHO FISCAL: Norte: Carlos Gilmar C. Costa Sul: Teobaldo F. da Cruz Presidente: Nélson S. Borges Leste: Hélio F. de Almeida Jr. Oeste: Ildemar G. Castro Membros efetivos: Hélder Morais Lima, Maria Eliana S. dos Santos Membros suplentes: Jorvan P. de An- drade, Sérgio Sá. 30


Israel Andrade Jr 2009/2010 Israel Joaquim de Andrade Júnior No ano 2000 criou a Distribui- nasceu em 07 de junho de 1962, dora e Comercial Coutrim, que hoje em Santo Antônio de Jesus (BA). funciona no CIA, Simões Filho, distri- Iniciou-se no comércio aos 10 anos de buindo produtos em geral. Seu primei- idade, num pequeno armazém vare- ro contato com a Asdab foi em 1996, jista de seu pai, mais tarde transfor- na gestão de Hélder. Foi eleito presi- mado em padaria, em seguida numa dente em 2009, cumprindo um único pequena distribuidora atacadista de mandato, até 2010. doces. Israel acha que o mais impor- tante em sua gestão foi a aproxima- ção com a Abase Associação Baiana de Supermercados, para a realização conjunta de eventos, poupando assim tempo e recursos na organização, bem como evitando gastos em dupli- cidade para os patrocinadores. Nesse contexto, foram realizadas duas Fei- ras Bahia e duas convenções anuais. Em seu mandato, a entidade esteve em boa situação financeira, graças a convênios como o da Volks- wagen, que rendia comissão sobre a venda de caminhões. 31


Na gestão de Israel, a Asdab ga de mercadorias em Salvador, com enfrentou um grande embate com a critérios técnicos. Uma das principais prefeitura de Salvador. O então prefei- alterações foi que as entregas de to, João Henrique, de maneira total- mercadorias ao comércio só pode ser mente despropositada, a pretexto de feita por caminhões pequenos (VUC). disciplinar o trânsito, praticamente impedia as distribuidoras de fazerem À época de Israel, era difícil o diá- suas entregas ao comércio varejis- logo com o governo do estado, que só ta, limitando-as ao período noturno, bem mais tarde veio a se sensibilizar quando o comércio estava fechado, e com o trabalho da Asdab e reconhecer submetendo os motoristas e ajudan- sua importância e a justeza de seus tes a riscos de roubos e assaltos, pleitos. Isso veio a resultar no Acordo principalmente em bairros com alto de Cooperação Técnica entre a entida- índice de violência. de e o estado, já na gestão de Roque. Foram inúteis as tentativas da Israel ressalta a dificuldade que Asdab junto à Prefeitura. A entidade a Asdab tem na ampliação do núme- ainda se desdobrava para evitar atitu- ro de associados, pouco mais de 200, des de retaliação por parte dos cami- num universo de mais de mil empresas nhoneiros, que ameaçavam paralisar a beneficiadas com seu trabalho, como cidade, já que não podiam fazer suas no caso do Decreto 7799. Segundo entregas. Foi preciso entrar na Justi- ele, a Asdab sobrevive graças à dedi- ça, que deferiu uma liminar anulando o cação de vários dirigentes abnegados, ato da Prefeitura. que, sem remuneração, às vezes até contribuindo com recursos próprios, A questão só viria a ser resolvi- doam parte de seu tempo à entida- da, em 2013, na gestão do prefeito de. E considera importante a publica- ACM, com a assinatura do Decreto ção deste livro, para contar a história 23975/13, que disciplinava a entre- da Asdab e daqueles que ajudaram a construir a sua história. 32


Composição da Diretoria – Período 2002/2008 PRESIDENTE: Israel J. de Andrade DIRETORES: Jr. Aldo Sena Macedo e Sillva, Antônio 1º Vice-Presidente: Hélio F. de Almei- Cabral Filho, Jorge R. Lins Neto, da Júnior Leninho Sampaio, Mário Silva Gor- dilho, Maria Eliana S. dos Santos, 2º Vice-Presidente: Sinval Barretto Nilson Borges (Regional Recônca- de Souza vo), Roberto Spanholi, Teobaldo F. da Cruz, Teobaldo Luís da Costa, Valmir R. Oliveira. 33


Nilson Borges 2011/2014 José Nilson Borges nasceu em Aos seis anos começou a tra- 30 de junho de 1950, em São balhar no engenho de açúcar do pai, Miguel das Matas (BA). Ele faz carregando cana e tangendo os bois questão de registrar o nome de seus carreiros. E logo cedo revelou sua vo- pais, Francisco Félix Borges e Maria cação para o comércio, vendendo na Odete Sala Borges, por quem man- feira rapaduras e chuchu, que colhia tém profunda reverência. O pai faleceu no quintal de casa. Com o dinheiro das com pouco mais de 20 anos, deixan- rapaduras e chuchus, comprava milho do-o órfão aos sete anos. Tem forma- para também vender na feira. Aos oito ção de Técnico em Contabilidade, car- anos, usou uma sala de sua casa em go que exerceu por mais de 30 anos. São Miguel para montar um bar im- provisado. Era o tino comercial. Findo o curso ginasial, mudou-se para Salvador, para cursar a Escola Técnica de Contabilidade e trabalhar como auxiliar de contabilidade na Ru- josal Distribuidora de Alimentos Ltda, que à época era a maior empresa dis- tribuidora atacadista da Bahia. Três anos depois, mudou-se para Santo Antônio de Jesus, para instalar e ge- renciar uma filial da Rujosal. 34


Em 1986, criou a Codical Distri- garantir a mesma incidência de tri- buidora de Alimentos Ltda, que até butos para a compra efetuada pelo hoje funciona. varejista, seja ele atendido no autos- serviço (atacarejo, ou cash and carry), Nilson filiou-se à Asdab em 1992, ou no atacado distribuidor. quando o Presidente era Hélder. Tor- nou-se logo diretor, assim continuan- Nilson se preocupou em reforçar do nas presidências posteriores. As- a relação institucional com os diver- sumiu a presidência em 2011, sendo sos poderes constituídos. Teve rela- reeleito por mais dois anos, até 2014. cionamento muito próximo com o Go- verno do Estado e suas secretarias, Nos quatro anos em que este- especialmente a Sefaz, com relação ve no comando, ele colecionou, junto direta com o Secretário, buscando a com demais diretores e colaborado- credibilidade de todo o setor. Teve óti- res, inúmeras conquistas. Sob sua ma relação com a Assembleia Legisla- gestão, a entidade se renovou, trans- tiva e diversos deputados, em busca formando-se em um forte referencial de projetos de leis em favor do setor como representante do setor ataca- atacadista. Aproximou-se institucio- dista distribuidor. nalmente do Tribunal de Justiça da Bahia. Nilson conseguiu estabelecer A aquisição do imóvel e mudan- pontes com diversas autoridades, go- ça para uma nova e moderna sede (a vernadores, senadores, deputados e atual), o fortalecimento de canais de prefeitos, sempre visando fortalecer comunicação institucional bem defini- a cadeia produtiva do Estado. Com dos e de relevância nacional, além dos ele, a Asdab se consolidou como uma pleitos mais importantes atendidos instituição reconhecida e respeitada. pelo governo, estão entre os princi- pais marcos de sua gestão. Nilson também se orgulha da profissionalização e aprimoramento Nilson comenta que a inclusão do técnico que sua gestão conseguiu im- CPF do consumidor no cupom fiscal de plementar na Asdab, contando com venda, conseguida pela Asdab, em sua a participação de representantes de gestão, foi uma medida fundamental empresas da capital e das várias re- para o setor e para toda a economia gionais que a entidade mantém no in- baiana, vindo a reduzir a sonegação e 35


terior, cujo empenho e desprendimen- de todos os que o antecederam no to ele agradece, sensibilizado. E faz comando da Asdab: presidentes, dire- questão de reconhecer a dedicação tores, colaboradores e funcionários. Composição da Diretoria – Período 2011/2014 PRESIDENTE: Nilson Borges Leste: Jorge Lins 1º Vice-presidente: Valmir Emídio Oli- Norte: Hélio F. de Almeida Jr. veira Oeste: Sinval Oliveira do Nascimento 2º Vice-presidente: Antônio A. Cabral Filho Sul: Anízio José dos S. Nogueira DIRETORES: Aldo Sena Macedo e Sil- Sudoeste: Lauro Alves Moreira va, Enzo Augusto L. S. de Andrade, Érico S. Brandão Neto, Hélder Mo- CONSELHO FISCAL: rais Lima, Israel J. de Andrade Jr., Jordan Bergston Andrade, Marcel Presidente: Roque E. S. dos Santos Couto Nery, Ronaldo G. de Menezes, Roberto Spanholi, Membros efetivos: Pedro Paulo R. de Andrade, Antônio Fernando R. de Al- DIRETORES REGIONAIS: meida Metropolitana: Leonardo V. Régis, Membros suplentes: Adriano Matos Souza, Leninho Sampaio, Sinval Bar- Recôncavo: Lucas de Jesus Andrade reto de Souza. 36


Antônio Cabral Filho 2015/2018 Antônio Alves Cabral Filho nas- Ingressou na empresa em 1976, ceu em Vitória da Conquista, como office-boy e foi aprendendo a fa- em 19 de novembro de 1970, zer de tudo, até tornar-se sócio e su- e lá reside até hoje. É formado em ceder o tio em sua gestão. Administração de Empresas. Sócio minoritário da Cabral e Souza, distri- O primeiro contato com a Asdab buidora atacadista de alimentos, be- começou na gestão de Noberto, que, bidas, bomboniere etc. Uma empresa em sua política de valorização dos familiar, cujos sócios principais são polos regionais de distribuição, man- um tio e uma tia. tinha contatos e encontros com os empresários de Conquista. À época, seu tio era o gestor da empresa, mas Cabral já se interessava pela defesa dos interesses do setor e achava fun- damental o trabalho associativista da entidade. Assim, participou de even- tos como os encontros regionais de Conquista e Ilhéus. Ao assumir a gestão de sua em- presa, intensificou seu contato com a Asdab, que ele procurou para promo- ver um trabalho mais ativo e específi- co, passando a integrar o grupo que desenvolvia demandas junto à Sefaz, 37


nas gestões de Noberto e Jorge Lins. trabalho fundamentadas em três fren- Cabral era, e continua sendo, um es- tes: a descentralização das ações, o tudioso do mercado e do setor, e não fortalecimento da intervenção direcio- se conformava com a difícil situação nada à Política Tributária e a forma- do empresariado do segmento, em ção de uma Aliança Associativista. Em seu próprio estado, sem capacidade cada uma dessas frentes, a entidade de concorrência para enfrentar os elaborou um Programa para balizar as atacadistas distribuidores que vinham atividades e projetos, mantendo cada de outros estados. pauta organizada e com um sólido pla- nejamento de ação. Esses programas Buscando organizar as deman- foram mantidos pelas gestões seguin- das e focos de atuação da Asdab em tes e continuam norteando a atuação sua gestão, o ex-presidente Antônio da entidade. Cabral elaborou suas propostas de Composição da Diretoria – Período 2015/2018 PRESIDENTE: Antônio A, Cabral Filho Recôncavo: Adriano Matos Souza 1º Vice-presidente: Aldo Sena Mace- Leste: Samarone M. F. da Silva do e Silva Norte: Roque E. S. dos Santos 2º Vice-presidente: Enzo Augusto L. S. Andrade Oeste: Sinval O. do Nascimento DIRETORES: Cássio Magno S. San- Sul: Anízio J. dos S. Nogueira tos, Hélder Morais Lima, Hélio Fer- reira de A. Jr., Israel J. de Andrade Jr., Sudoeste: Marcelo Brito Moreira Jordan Bergston de Andrade, Lauro Alves Moreira, Marcos Silva Gordi- CONSELHO FISCAL: lho, Roberto Spanholi, Ronaldo G. de Menezes, Tiago Carneiro de Almeida. Presidente: Nilson Borges DIRETORES REGIONAIS: Membros efetivos: Jorge Lins, Vic- tor R. S. do Nascimento Metropolitana: Leonardo V. Régis Membros suplentes: Antônio Fernan- do R. de Almeida, Leninho Sampaio, Marcelo Valadares. 38


Roque Eudes dos Santos 2019/2020 Roque Eudes Souza dos Santos de Produtos Alimentícios São Roque nasceu em Riachão do Jacuí- Ltda, ingressando, assim, no ramo de pe (BA), em 19 de agosto de distribuição atacadista. É dessa épo- 1972. Aos 11 anos já trabalhava no ca seu primeiro contato com a Asdab, pé do balcão de uma “venda” de pro- na gestão de Noberto Araújo. priedade do pai, onde se comercializa- va de tudo. Era o Armazém São Roque. Seu espírito associativista e de interesse na luta pelo desenvolvi- No ano 2000, já morando em mento do setor o levou desde logo a Feira de Santana, ele, em sociedade engajar-se na Asdab, tornando-se di- com três irmãs, abriu a Distribuidora retor desde a gestão de Jorge Lins (2002/2008), até atualmente, com exceção de 2019/2020, quando foi o presidente da entidade. Teve intensa participação na gestão de Antônio Ca- bral Filho (2015/2018), na formulação e defesa dos pleitos da Asdab junto à Secretaria da Fazenda. Seu grande feito quando presi- dente foi a assinatura do Termo de Cooperação Técnica com o governo do Estado, fruto de um trabalho de anos, da entidade, mediante o qual a Asdab e o governo trabalham conjuntamen- te na análise e troca de informações 39


sobre os problemas do mercado e a ças a Deus”, e não quis mais saber de proposição de soluções. disputa política. Esse Termo de Cooperação re- Roque define a Asdab como “uma sultou numa mudança total de rela- grande família”, da qual ele é, sem dú- cionamento entre as partes. Hoje, a vida, um dos membros mais destaca- Asdab é reconhecida pelo poder pú- dos. Mesmo com medo de esquecer blico e pela sociedade em geral como algum nome, ressalta a dedicação de uma legítima representante de um pessoas como Noberto, Hélder, Antô- setor que tem muito a contribuir com nio Cabral, Aldo Sena, Leninho Sampaio o desenvolvimento do estado. e Roberto Spagnolli. Orgulha-se de ter contribuído por ver a Asdab, hoje, Seguindo a política de seus an- como uma entidade de classe consoli- tecessores, Roque se esforçou para dada e respeitada, com uma visão mais a ampliação do quadro de associados ampla do mercado, como um todo, da Asdab um problema recorrente. contribuindo para o fortalecimento Igualmente, deu sequência a uma po- das empresas baianas, em todos os lítica de enxugamento de gastos e da segmentos: Comércio (atacadista, va- estrutura administrativa da entida- rejista e misto), Indústria e Serviços. de. Manteve a aproximação e atuação conjunta com o Sindatacado, efetivada Roque acha que a Asdab está no na gestão anterior, de Antônio Cabral. caminho certo e tende a alcançar o objetivo atual de dotar o estado da A previsão era de Roque perma- Bahia de um sistema tributário jus- necer por mais um mandato, mas, ao to e moderno, com base do vigente final do primeiro, cumprindo uma alte- no estado do Ceará, que serviu como ração estatutária, ele precisou deixar base e paradigma para os demais es- a gestão da Asdab, já que se candida- tados brasileiros. Ele ressalta que, tara a um cargo político, disputando enquanto forças tiver, continuará se a prefeitura de Feira de Santana. Foi dedicando à “família” Asdab. para o segundo turno da eleição, mas acabou perdendo, segundo ele, “gra- 40


Composição da Diretoria – Período 2019/2020 PRESIDENTE: Roque Eudes S. dos Recôncavo: Adriano Matos Souza Santos Leste: Hélio F. de Almeida Jr. 1º Vice-presidente: Aldo Sena Mace- do e Silva Norte: Samarone M. F. da Silva 2º Vice-presidente: Leonardo V. Ré- Oeste: Sinval O. do Nascimento gis Sul: Anízio J. dos S. Nogueira DIRETORES: Edvonilson S. Santos, Hélder Morais Lima, Israel J. de An- Sudoeste: Marcelo Brito Moreira drade Jr., Lauro Alves Moreira, Ma- ria Eliana S. dos Santos, Marcos Sil- CONSELHO FISCAL: va Gordilho, Nilson Borges, Ronaldo G. de Menezes, Maurício Mário L. Presidente: Antônio A. Cabral Filho Nogueira, Tiago Carneiro de Almeida. Membros efetivos: Jorge Lins, Vic- DIRETORES REGIONAIS: tor R. S. do Nascimento Metropolitana: Roberto Spanholi Membros suplentes: Antônio F. R. de Almeida, Leninho Sampaio, Lucas Costa Pimentel. 41


Roberto Spanholi 2021/2022 Roberto Antônio Spanholi nas- jos, de ovos comerciais e de Premix ceu em 10 de agosto de (componentes para ração animal). Aí 1961, em Cacique Doble (RS). adquiriu uma sólida experiência técni- Ao terminar o curso de Técnico Agro- ca e administrativa. pecuário, trabalhou nessa área, ini- cialmente em Toledo (PR), por quatro Roberto mudou-se para a Bahia anos (1980/84), depois mais 10 anos em 1995, para abrir uma distribuido- na Frimesa, em Medianeira (PR).Tran- ra da Aurora-Chapecó, em sociedade sitou por várias áreas do agronegó- com um diretor da empresa que deti- cio, como gerente de vendas de uma nha a concessão para a distribuição granja suína, produção de leite e quei- de seus produtos no estado. Funda- ram então a Disalli, que mais tarde agregaria outros fornecedores. A Di- salli está estabelecida hoje no bairro de Itinga, em Lauro de Freitas, Região Metropolitana de Salvador. Roberto filiou-se à Asdab em 1998, na gestão de Noberto Araújo. Desde então tem sido diretor da enti- dade. Assumiu a presidência em 2021, para um mandato que termina em de- zembro de 2022. Ele diz, e demonstra isso, que nunca teve a vaidade de “ser” presidente, mas aceitou o desafio, por insistência de vários companheiros, 42


por se sentir preparado para o car- De imediato, ao assumir, Ro- go e ter a obrigação de dar sua cota berto instituiu a gestão comparti- de contribuição e de sacrifício pes- lhada, criando um Conselho Gestor, soal e profissional em prol da Asdab, de cinco membros, composto pelo como fizeram antes vários outros. Presidente, 1º e 2º vice-presiden- tes da Asdab, mais o Presidente e É com esse espírito que ele en- o vice do Sindatacado. Toda deci- cara o futuro. Aceita um segundo são importante é tomada por esse mandato, se for esse o desejo do co- colegiado, não mais pelo presiden- legiado da entidade, mas aceita, igual- te, monocraticamente, como antes. mente, transferir a Presidência a um outro companheiro que esteja dispos- Outro aspecto importante na to e venha a ser escolhido. gestão de Roberto é o foco em gran- des projetos, não mais se ocupando Roberto assumiu uma entidade de “miudezas”, como diz ele, que res- já consolidada, prestigiada e respeita- salta, igualmente, a importante con- da, tanto junto à categoria dos agen- tribuição de outros diretores, princi- tes de distribuição e abastecimento palmente Antônio Cabral Filho. Ele e quanto ao poder público e à socie- Cabral passaram muitos fins de sema- dade baiana. Ao tomar posse como na e feriados na sede da Asdab, junta- presidente, trouxe para a entidade mente com o consultor e advogado tri- seu estilho profissional e moderno de butarista José Damasceno Sampaio, gestão, com base em sua atuação na elaborando o projeto que resultou no Disalli e sua experiência anterior no PL 05/2021. Igualmente com rela- agronegócio, no Paraná. ção ao Projeto ICMS estadual, cujas negociações estão em andamento. Também já estava consolidada a parceria e a atuação interativa com Seguindo uma política consoli- o Sindatacado, reconhecendo que am- dada por seus antecessores, Rober- bos representam o setor, sendo, por- to trabalha em sintonia com a Abad tanto, útil e lógico que atuem conjun- (nacional), que, por sua vez, dá total tamente, como se fossem uma única apoio a suas filiadas estaduais. organização. 43


A Vaz & Lomanto Advocacia e Consultoria congratula a ASDAB por estar celebrando 30 anos de existência e dedicação a todos os envolvidos na cadeia de distribuição e abastecimento em todo o Estado da Bahia. Temos a certeza de que a ASDAB representa o divisor de águas no setor, tendo sido a grande responsável por melhorias e grandes avanços durante essas três décadas. A ASDAB é respeitada e conhecida em todo o Brasil, pois tem em seu DNA o empreendedorismo, conhecimento de toda a cadeia de distribuição e grande interlocução, necessária com os entes públicos. Ficamos ainda mais honrados em poder contribuir com a história dessa destacada instituição, já que desde 2008 estamos ao seu lado, apoiando suas ações de forma técnica, seja através de pareceres verbais e escritos, seja no patrocínio das causas no Poder Judiciário; além da participação com a diretoria em reuniões com entes públicos, buscando sempre uma cooperação para trazer benefícios aos associados e até mesmo incentivando a capacitação e, consequentemente, alcançando grandes feitos. A nossa trajetória como escritório de advocacia deve muito à ASDAB. Portanto, nosso muito obrigado pela confiança. Há ainda outros tantos desafios para enfrentar, outras batalhas para vencer, e temos a certeza de que é com a força, apoio e dedicação de tantas pessoas abnegadas em função do verdadeiro associativismo na cadeia de abastecimento, que teremos ainda mais sucesso! Parabéns, ASDAB! Vida longa e muito sucesso! @vazlomantoadvocacia Vaz & Lomanto Advocacia e Consultoria 44


AS CONQUISTAS DA ASDAB Decreto 7799, a redenção do setor atacadista Desde o começo de suas ativi- Oliveira, muito ajudou no trabalho de dades, em novembro de 1992, vencer as resistências. sob o comando de Hélder, a principal luta da Asdab foi no sentido Foram mantidos inúmeros en- de conseguir a redução da alíquota de contros, com vários representantes ICMS a que estavam submetidos os legislativos, destacando-se entre distribuidores atacadistas da Bahia, o eles os deputados Otto Alencar, Be- que tornava as empresas sem com- nito Gama, José Ronaldo, Jorge Cury, petitividade frente às de outros esta- Clóvis Ferraz e Paulo Carneiro. Mas o dos, sujeitas a taxas bem menores. pleito não avançava. Luta que continuou em seguida, Até que um novo contato deu nos dois mandatos de Noberto, su- alento à diretoria da Asdab. Leninho cessor de Hélder na presidência. Sampaio teve a ideia de marcar um almoço com o vereador de Salvador, O trabalho se desenvolvia em Antônio Lima, com quem mantinha duas frentes: a técnica/administrati- bom relacionamento, para o dia 18 de va, junto aos órgãos e autoridades da agosto de 1998, em mais uma ten- Secretaria da Fazenda do Estado; e tativa de obter a aprovação política a política, junto a lideranças que pu- para o pleito. Tratava-se de um ho- dessem influenciar o governador a ser mem de origem humilde, feirante de receptivo à causa. No âmbito do go- São Joaquim, mas que se destacava verno estadual, os esforços se con- pelo seu espírito empreendedor. Por- centravam no Secretário da Fazen- tador de uma capacidade de liderança da, Albérico Mascarenhas, cujo chefe inata, conseguiu a simpatia e o apoio de gabinete, Dr. Gilberto Moreira de de seus pares feirantes, o que lhe 45


facilitou ingressar na vida política e tro com o então secretário da Fa- eleger-se vereador por Salvador, com zenda, Albérico Mascarenhas, pouco apoio de ACM. tempo antes do almoço com Antônio Lima tornara-se um dos líderes Lima. Mas faltava a aprovação polí- dos barraqueiros da antiga Feira de tica. O vereador então ponderou que Água de Meninos, tragicamente des- somente um encontro com o governa- truída por um gigantesco incêndio, dor ACM poderia romper o impasse. em 8 de setembro de 1964. Nos mo- O almoço foi numa terça-feira. vimentos para a criação de um novo Antônio Lima, imediatamente, pegou espaço para abrigar os feirantes pre- o telefone e ligou para o Palácio do judicados, Lima se reuniu várias ve- Governo. Em seguida deu a boa notí- zes com o então prefeito ACM, que, cia: “Quinta-feira, 27 de agosto, às 16 notando sua liderança, convidou-o a horas, o governador vai nos receber”. se filiar a seu partido, o PFL, e can- O encontro está agendado”. didatar-se a vereador por Salvador. E Na data marcada, lá estavam assim se deu. Noberto, Leninho, e Hélder, entre ou- Participaram do almoço, dia 18 tros, pouco antes das 16 horas. An- de agosto de1999, Leninho, e o então tônio Lima se atrasou, e, ao chegar, presidente da Asdab, Noberto, que antecipou: “Vou levar uma bronca, por expuseram a Lima a situação: junto estar atrasado”. Dito e feito; ao se às autoridades do estado, o pleito, do ponto de vista técnico e econômico, es- tava aprovado. As autori- dades estaduais finalmen- te se haviam convencido de que o pleito era bené- fico para o estado, pois resultaria em aumento das vendas e, consequen- temente, da arrecadação. Prova disso foi um encon- ACM ouvindo os representantes da Asdab. 46


distribuidor atacadista da Bahia sua maior vitória, corolário da luta de deze- nas de abnegados, mas que só pôde ser alcança- do pela união da classe, em torno de sua entida- de. Enfim, uma vitória do associativismo: “O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições, DECRETA: Coube ao então governador César Borges (na foto, cumprimentando Art. 1º: Nas opera- Noberto Araújo), assinar o Decreto 7799. apresentarem, ACM advertiu: “Você ções de saídas internas sabe que eu não tolero atraso”. Mas de estabelecimentos inscritos no Ca- ouviu atentamente, embora se man- dastro de Contribuintes do ICMS (CA- tivesse de olhos quase fechados, imó- D-ICMS) sob os códigos de atividades vel. Tanto que, à saída, esse aspecto econômicas constantes do Anexo Úni- foi comentado com o fotógrafo oficial co que integra este Decreto, destina- do Palácio. Mas esse tranquilizou: das a contribuintes inscritos no CAD- “Quando ele age assim é porque está -ICMS do Estado da Bahia, a base de prestando atenção”. cálculo das mercadorias relacionadas aos códigos de atividades constantes Uma semana depois do encontro nos itens 1 a 16 do referido anexo po- no Palácio do Governo, Antônio Lima derá ser reduzida em 41,176% (qua- informou que o governador aprova- renta e um inteiros e cento e setenta ra o pleito e autorizara a elaboração e seis milésimos por cento), desde que do texto do Decreto 7799, que veio o valor global das saídas destinadas a a ser promulgado no dia 10.05.2000. contribuintes do ICMS corresponda, no O caput, aqui transcrito, repre- mínimo, em cada período de apuração sentava para a Asdab e todo o setor do imposto, aos seguintes percentuais de faturamento: ...” 47


A histórica reunião com ACM. sivamente alterado e prorrogado, por prazo determinado, a cada vencimen- O artigo determinava que o De- to, e, finalmente, por prazo indeter- creto entraria em vigor na data de sua minado, pelo Decreto nº 8.665, de publicação (10.05.2000), produzindo 26/09/03, DOE de 27 e 28/09/03. efeitos até 31 de dezembro de 2002. A partir dessa data, foi sendo suces- Assinaram o Decre- to original: César Borges, Governador; Sérgio Ferrei- ra, Secretário de Governo; e Albérico Machado Mas- carenhas, Secretário da Fazenda. Jantar de homenagem a Antônio Lima (à esq. ao lado da esposa). Desde 08 de abril de 2020, os contribuintes do ICMS da Bahia que preci- sarem requerer a conti- nuidade das condições de redução da base de cálcu- lo do imposto previstas no 48


Decreto 7799, de 2000, ou solicitar Justa homenagem o usufruto do benefício, devem enviar a documentação necessária para a Em reconhecimento pela atuação Secretaria da Fazenda do Estado (Se- de Antônio Lima, fundamental para a faz-Ba) por meio eletrônico. A men- grande conquista da Asdab, o Decreto sagem deve ser encaminhada para a 7799, a Associação prestou-lhe uma Gerência de Estudos Econômico-Tri- justa homenagem, entregando-lhe butários da Sefaz-Ba pelo e-mail sat- uma Placa de Agradecimento por Ser- [email protected] A medida viços Prestados. A cerimônia ocorreu é válida tanto para as empresas que em setembro, no Hotel Fiesta, em já firmaram termo de acordo com a Salvador. Felizmente, foi homenagea- Fazenda Estadual e desejam renová- do ainda em vida, já que viria a falecer -lo, quanto para aqueles contribuintes seis meses depois, em 19 de março que querem iniciar um processo. de 2016, aos 76 anos de idade. Homenagem e gratidão da Asdab a Antônio Lima. 49


Depois do Decreto 7799 A luta continua Como previam os estudos que tação, o Decreto 7799 foi sendo su- embasaram o pleito da Asdab, cessivamente prorrogado, alterado e os efeitos positivos do Decre- atualizado em alguns pontos. to 7799 logo se verificaram, com- provando o aumento da arrecadação Quando Antônio Cabral assumiu estadual e o estímulo para que as a gestão da empresa dos tios, tor- empresas distribuidoras atacadistas nando-se associado, intensificou seu conseguissem enfrentar a concorrên- contato com a Asdab, que ele procu- cia, até então desleal, com empresas rou para promover um trabalho mais de outros estados ou mesmo de capi- ativo e específico, passando a inte- tal estrangeiro. Essas empresas, para grar o grupo que desenvolvia deman- poderem se beneficiar do Decreto, ti- das junto à Sefaz, nas gestões de veram de abrir filiais na Bahia, geran- Noberto e Jorge Lins. Cabral era um do empregos e renda, em termos de estudioso do mercado e do setor, e instalações, aquisição e manutenção não se conformava com a difícil situa- de frota, depósitos, consumo de com- ção do empresariado do segmento, bustíveis etc. Enfim, passaram tam- em seu próprio estado, sem capacida- bém a pagar impostos e a contribuir de de concorrência para enfrentar os para o desenvolvimento do estado. atacadistas distribuidores que vinham de outros estados. Mas a conquista do 7799 foi apenas o primeiro passo. Muita luta Convencido de que a Asdab era o ainda precisaria ser enfrentada, inú- canal adequado para essa luta, resol- meros problemas ainda restavam por veu integrar-se ao processo. Procu- resolver. A partir de sua implemen- rou a Diretoria, na então sede do Edf. Advance Trade, e ofereceu sua colabo- 50


Like this book? You can publish your book online for free in a few minutes!
Create your own flipbook